terça-feira, junho 28, 2022
spot_img
InícioColunistasPesquisas Eleitorais

Pesquisas Eleitorais

por LUIS CARLOS CORRÊA LEITE

O assunto de todos os dias têm sido as pesquisas eleitorais. De acordo com estas, não há nem necessidade de eleição: basta empossar o ex-presidente Lula. Mas, se o presidente Bolsonaro está tão fraco, se candidaturas alternativas a esse quadro triste que se avizinha não têm a menor chance, por que esse desespero da imprensa, do próprio Supremo Tribunal Federal, das lideranças tradicionais, em dar como eleito o ex-presidente Lula?

Um grande político com quem convivi dizia que é preciso demonstrar força no início da campanha. E isso é verdade. Parte do povo, seja de direita ou de esquerda é como gado, segue o líder. Mas é preciso cuidado, nada está decidido.

No dia 28 de setembro de 2.018 o prestigiado Instituto Datafolha publicou pesquisa eleitoral, em que o então candidato Haddad tinha 45% dos votos, e Bolsonaro 39%. E mais, se a disputa fosse entre Alckmin e Bolsonaro, seria 45% a 38%. Deu no que deu. No ano de 1.985 o então candidato Fernando Henrique Cardoso estava tão eleito que tirou uma foto sentado na cadeira de prefeito da cidade de São Paulo.

Faltando dois dias o povo – esse malvado – elegeu o polêmico ex-presidente Jânio Quadros. O qual, antes de sentar-se na cadeira de prefeito, teve o cuidado de desinfetá-la, pois nádegas indevidas a tinham ocupado. Mais recentemente temos tido o caso do deputado Celso Russomano, que certamente já é o favorito para ocupar a prefeitura de São Paulo partir de 2.025. Tem sido assim há três eleições…

Essa dianteira de determinados candidatos decorre da memória recente do eleitor. Mas durante a campanha a história tem mostrado que o quadro pode mudar. A campanha existe para isso mesmo. Para cada candidato mostrar seus planos e virtudes e, principalmente, destruir a imagem dos oponentes.

Mais opiniões de Luís Carlos Correia Leite

Cidadania e participação

Quem não se lembra da demolição da imagem da então candidata Marina Silva nas últimas eleições? O marqueteiro do Partido dos Trabalhadores – que, depois, soube-se que era pago por “doações” indevidas de empreiteiras -conseguiu colocar na cabeça dos eleitores que a coitada iria tirar a comida da mesa dos pobres, só porque ela era amiga de uma acionista de um banco. E é bom saber que este criativo marqueteiro cuidará da campanha do candidato Ciro Gomes, cuja boca se assemelha a um canhão de impropérios.

Imaginem quando começarem a mostrar o apartamento do ex-dirigente da Caixa Econômica Federal no governo Dilma cheio de dinheiro (53 milhões de reais). Ou a conta do servidor da Petrobrás na Suíça, com cem milhões de dólares? Vai sobrar cacetada para todo lado.

Por isso, é importante que o eleitor não se deixe influenciar pelas pesquisas eleitorais, que visam, claramente, formar um clima de “já ganhou”. Até o final do mês de junho teremos o quadro definitivo das candidaturas. O MDB irá apresentar o nome da Senadora Simone Tebet, uma mulher experiente, preparada, que certamente receberá muitos votos femininos. O próprio Ciro Gomes, também político experiente e capaz, e talvez mais algum.

Boas opções não faltarão.

RELATED ARTICLES
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Most Popular

Recent Comments

Érica Alcântara on Homero vira lenda
Érica Alcântara on Homero vira lenda
Érica Alcântara on Homero vira lenda
Ana Maria Monteiro da Silva on Homero vira lenda
Agenor Vallone on Homero vira lenda
Ana Paula Carrara on Homero vira lenda
José Francisco "Chiquinho" on Mais segurança em Arujá