terça-feira, junho 28, 2022
spot_img
InícioColunistasDérika Viana MachadoServidão para escoamento de água de chuva

Servidão para escoamento de água de chuva

por Dérika Viana Machado

Catarina (1) com muito sacrifício realizou o sonho da casa própria e comprou um terreno para construir sua casa. Juntou dinheiro e foi construindo aos poucos. Sua irmã, com saudades, decidiu comprar um terreno ao lado de Catarina e assim as duas construíram suas casas. Não contrataram engenheiro e nem arquiteto para realizar os projetos, tendo em vista que não achavam necessário.

Fizeram um muro para dividir as casas, até que ao final, perceberam que o muro da divisória ficou muito próximo à casa de Catarina, não deixando espaço para escoar a água da chuva do telhado dentro do próprio terreno

Então, sua irmã, por um acordo verbal, cedeu um espaço de seu terreno para a passagem da canaleta de escoamento de água. Assim, durante longos 35 anos, Catarina utilizou a canaleta no terreno de sua irmã, fazendo as obras necessárias e manutenções.

Eis que a irmã de Catarina veio a falecer e os filhos tomaram posse da casa. Os sobrinhos de Catarina, tiraram a canaleta que ela utilizava no terreno da irmã, alegando que era o terreno deles e eles precisavam de espaço para construir.

A pergunta é: os sobrinhos de Catarina têm direito a retirar os canos de escoamento de Catarina?

A resposta é NÃO. Nesse caso, configurou-se a chamada SERVIDÃO, que é um direito de gozo sobre imóveis que, em virtude de lei ou vontade das partes, se impõem sobre o prédio serviente (aquele imóvel que serve ao outro) em benefício do dominante (aquele que tem a servidão ao seu favor), visando proporcionar valorização deste, bem como torná-lo mais útil. Podendo ser servidão de passagem ou de trânsito, para escoar água da chuva, para não impedir a entrada de luz, para passagem de som, para usufruir de vista ou de janela.

Portanto, fique atento aos seus direitos e sempre consulte um advogado! E lembre-se: antes de construir, não se esqueça de contratar um profissional da área.
(1) Este é um nome fictício, assim como a própria história.

Dérika Viana Machado

derikamachado.advocacia@gmail.com –

Advogada Imobiliarista e Presidente da Comissão de Direito Urbanístico e Ambiental da OAB Santa Isabel – SP

RELATED ARTICLES
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Most Popular

Recent Comments

Érica Alcântara on Homero vira lenda
Érica Alcântara on Homero vira lenda
Érica Alcântara on Homero vira lenda
Ana Maria Monteiro da Silva on Homero vira lenda
Agenor Vallone on Homero vira lenda
Ana Paula Carrara on Homero vira lenda
José Francisco "Chiquinho" on Mais segurança em Arujá