terça-feira, junho 28, 2022
spot_img
InícioSaúdeSantas Casas pedem mudanças em linha de crédito

Santas Casas pedem mudanças em linha de crédito

Representantes de santas casas pedem mudanças em linha de crédito do BNDES para o setor

Comissão de Finanças e Tributação da Câmara debate: Santas Casas pedem mudanças em linha de crédito do BNDES.

Representantes das santas casas de misericórdia e hospitais filantrópicos pediram ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que crie uma linha de crédito para o financiamento do segmento com condições equivalentes às praticadas pela instituição para outras áreas, como agricultura e transportes (caminhoneiros), que possuem juros menores e maior carência.

O banco possui uma linha específica para instituições filantrópicas de saúde sem fins lucrativos (o BNDES Saúde). Os recursos financiam projetos de investimentos no valor mínimo de R$20 milhões por projeto.

O assunto foi debatido na quarta-feira (25/05) na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, a pedido do deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP), que preside o colegiado.

Para o provedor da Santa Casa Guaratinguetá (SP), Rômulo Augusto de Barros, a linha atual é inadequada para atender às santas casas, com condições superiores às exigidas de outros setores econômicos. Além disso, não financiam o capital de giro, que é uma necessidade dessas instituições.


LEIA TAMBÉM

Santa Isabel aprova a presença de doulas nos partos


“Só podemos fazer um financiamento mínimo de R$ 20 milhões, e assim mesmo a instituições que apresentem um faturamento anual acima de R$ 80 milhões, o que praticamente inviabiliza as santas casas de médio e pequeno porte que dão atendimento a 70% da população”, disse Barros. Ele sugeriu uma linha com taxas de juros menores e prazo de carência de dois a três anos. Hoje esse prazo é de um ano.

Outros representantes de santas casas referendaram a proposta, como José Carlos Petreca, provedor da Santa Casa de Misericórdia de Mogi das Cruzes (SP). Segundo ele, uma linha nas condições sugeridas permitiria aos hospitais reorganizar as contas e incrementar o atendimento aos pacientes privados, que respondem pela maior parte das receitas destas instituições.

A medida também foi defendida por deputados. Para Marco Bertaiolli, o valor mínimo de financiamento por projeto (R$ 20 milhões) tem que ser repensado. “Os valores disponibilizados são relativamente elevados. Uma linha de R$ 1 milhão, R$ 2 milhões vai fazer toda a diferença”, disse.

Visão do BNDES
Durante a audiência pública, o responsável pela área de saúde dentro do BNDES, João Pieroni, alertou aos deputados que a equiparação das condições de financiamento a outros setores depende de uma lei que permita ao Tesouro Nacional equalizar a taxa de juros que incide sobre os créditos concedidos.

Hoje o banco consegue praticar taxas menores no crédito rural e nos financiamentos disponibilizados aos caminhoneiros porque o Tesouro paga parte dos juros. “Isso precisa vir do Congresso”, disse Pieroni.

Atualmente, o banco possui cerca de R$ 2 bilhões emprestados aos hospitais filantrópicos.

Diante da afirmação do representante do banco, o deputado Júlio Cesar (PSD-PI) adiantou que vai apresentar um projeto de lei nesse sentido. “Esses encargos das santas casas de misericórdia poderiam ser igualados aos caminhoneiros”, disse. Por sugestão de Bertaiolli, o projeto poderá ser assinado pelos demais integrantes da Comissão de Finanças, o que aumenta seu peso político na Câmara.

Parcelamento
Também participaram da audiência o coordenador da Frente Parlamentar de Apoio as Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas, deputado Antonio Brito (PSD-BA), e outros representantes do setor.

Brito lembrou que na semana passada a Câmara dos Deputados aprovou uma medida provisória que cria um parcelamento de dívidas tributárias para entidades beneficentes da área da saúde (MP 1090/21).

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Érica Alcântara
Érica Alcântarahttps://jornalouvidor.com.br
Jornalista, escritora e poeta, Érica Alcântara se formou em Filosofia pela Universidade Federal de Ouro Preto, Bacharelado e Licenciatura e há mais de 10 anos atua como repórter do Jornal Ouvidor
RELATED ARTICLES
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Most Popular

Recent Comments

Érica Alcântara on Homero vira lenda
Érica Alcântara on Homero vira lenda
Érica Alcântara on Homero vira lenda
Ana Maria Monteiro da Silva on Homero vira lenda
Agenor Vallone on Homero vira lenda
Ana Paula Carrara on Homero vira lenda
José Francisco "Chiquinho" on Mais segurança em Arujá