segunda-feira, junho 27, 2022
spot_img
InícioSaúdeSaiba quais medicamentos estão em falta

Saiba quais medicamentos estão em falta

Levantamento do CRF-SP com mais de 1100 farmacêuticos aponta falta de antibióticos, mucolíticos, anti-histamínicos, analgésicos e...

Um levantamento do Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, CRF-SP, apontou que 98,52% dos farmacêuticos que responderam ao questionário sofrem com o desabastecimento de medicamentos, destes a maioria atua em estabelecimentos do setor privado.

Já 10,24% são do setor público (administração direta) e o restante se divide em setor público (parceria privada e terceirizações) e estabelecimentos filantrópicos, beneficentes, mistos e autarquias.


 


O levantamento, realizado por meio de questionário contendo 20 perguntas disponibilizado no portal e nas redes sociais do CRF-SP, de 19 de maio a 30 de maio de 2022, obteve 1.152 respostas válidas.

Dessas, 93,49% dos participantes relataram sofrer com a falta de antimicrobianos (entre os mais citados amoxicilina e azitromicina); 76,56% com a falta de medicamentos mucolíticos (entre os mais citados acetilcisteína e ambroxol); 68,66% com a falta de medicamentos anti-histamínicos (entre os mais citados dexclorfeniramina e loratadina); 60,59% com a falta de medicamentos analgésicos (entre os mais citados Dipirona, ibuprofeno e paracetamol) e 37,15% relataram a falta de outras classes.

Segundo o Dr. Marcelo Polacow, presidente do CRF-SP, as crianças são as que mais têm sofrido com o desabastecimento. “Os relatos mostraram que os medicamentos em falta são principalmente em suas formulações líquidas, o que prejudica em especial, a população pediátrica, já que a maioria dos medicamentos para esse público é na forma líquida por serem mais fáceis de administrar”.

Principais motivos para o desabastecimento

Os profissionais participantes, tanto os que atuam no setor público quanto os que estão no setor privado, apontaram a escassez de mercado, a alta demanda não esperada, falha do fornecedor e preço alto impraticável como motivos para a falta de determinados medicamentos.

Situações como a guerra na Ucrânia e o lockdown na China geraram problemas logísticos para o atendimento das demandas de insumos e medicamentos.

Alteração na receita

O CRF-SP alerta que o farmacêutico não deve modificar a prescrição de médicos e dentistas, por exemplo. Em caso de falta de medicamentos, o farmacêutico pode entrar em contato com o prescritor para indicar possíveis alternativas terapêuticas para uma nova prescrição ou orientar o paciente a solicitar a mudança com o profissional prescritor.

Confira o relatório na íntegra

Fonte: Comunicação CRF-SP

Érica Alcântara
Érica Alcântarahttps://jornalouvidor.com.br
Jornalista, escritora e poeta, Érica Alcântara se formou em Filosofia pela Universidade Federal de Ouro Preto, Bacharelado e Licenciatura e há mais de 10 anos atua como repórter do Jornal Ouvidor
RELATED ARTICLES
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Most Popular

Recent Comments

Érica Alcântara on Homero vira lenda
Érica Alcântara on Homero vira lenda
Érica Alcântara on Homero vira lenda
Ana Maria Monteiro da Silva on Homero vira lenda
Agenor Vallone on Homero vira lenda
Ana Paula Carrara on Homero vira lenda
José Francisco "Chiquinho" on Mais segurança em Arujá