Jornaleiros: fios que conduzem a informação à população

Reportagem da Série Profissões comemora os 34 anos do Jornal Ouvidor com a história dos jornaleiros Yoshito e Elza Kadomoto.

jornaleiros
A Banca Central, localizada na Avenida da República, abre de segunda a sábado, das 06h30 às 16h30. Em domingos e feriados, das 06h30 às 12 horas.

Responsáveis por entregar aos leitores as notícias que podem gerar revolta, alegria e comoção, os jornaleiros dedicam suas vidas à prática de fornecer, além de tantos exemplares, os 34 anos de Jornal Ouvidor. É o caso de Yoshito Kadomoto e Elza Kadomoto, o casal que há mais de 12 anos disponibiliza as edições no coração da Avenida da República, no Centro de Santa Isabel.

Mais reportagens da Série Profissões

Hoje aos 74 anos, Yoshito conta que sua história com os jornais e revistas começou logo na infância, quando a paixão pela leitura já o acompanhava todos os dias. Segundo ele, esse amor pela literatura se tornou a principal motivação para eles adentrarem no mundo das vendas dos exemplares.

Entretanto, o Jornaleiro recorda que antes de chegar no caminho dos entregadores de informação, vivenciaram diferentes profissões, como por exemplo, a profissão de florista, a qual atuaram por diversos anos até chegarem na primeira banca de jornal, localizada em Arujá.

Moradores de Santa Isabel, eles comentam que a locomoção diária para outro município por três anos trouxe dificuldades, como o cansaço e a correria. A junção dos fatores fizeram com que o casal fechasse a banca arujaense.

Porém, Yoshito comenta que uma das principais mudanças em sua vida aconteceu em 2012, quando conhecidos ofereceram a oportunidade de darem seguimento ao legado da “Banca Central”, a mais antiga do município e que reúne mais de 40 anos de história.

E assim se estabeleceram no Centro de Santa Isabel, onde acompanham as evoluções da profissão até os dias de hoje. Dentre as experiências dos últimos 12 anos, vivenciaram o sucesso e a procura por milhares de revistas e jornais como o “Ouvidor”, o surgimento de novas amizades e o carinho dos leitores de todas as idades que buscam os caminhos da leitura.

Elza Kadomoto comenta que semanalmente – principalmente aos sábados, leitores esperam ansiosamente a abertura da banca para conferir a nova edição dos jornais: “Muitas pessoas aparecem aqui 6 horas da manhã! E esperam fielmente para lerem os exemplares”, destacou.

Questionados sobre o futuro da profissão, Yoshito e Elza Kadomoto afirmam ser uma “incógnita”. De acordo com eles, as evoluções tecnológicas permitiram às pessoas o acesso à leitura nos celulares, porém, não têm a certeza se todos os 210,3 milhões de brasileiros conectados em smartphones – segundo levantamento da Global Overview Report 2024 – continuam a prática da leitura.

Portanto, Yoshito e Elza deixam, em suas mensagens às novas e futuras gerações, o pedido para que nunca deixem de procurar pela leitura, seja de forma online ou física, pois ela “abre portas para as coisas boas do mundo”.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments