terça-feira, junho 28, 2022
spot_img

Até Breve

por Érica Alcântara

Dizem que na vida existem dois tipos de pessoas: as que correm e as que congelam diante de situações de risco. E apesar de todas as recomendações, de tudo que ouvimos, quando o medo é extremo, nós simplesmente reagimos segundo nosso instinto.

Portanto, às vezes correr, é correr de medo. Não é por culpa, por que devia alguma coisa, ou por que não sabia… às vezes é só o medo. Gritando no peito a necessidade de lutar pela vida. É como no cinema, uma voz interna diz: Corra, Lola, corra! Corre Forrest, corre!

E foi assim que Matheus morreu, correndo desarmado no Centro de Santa Isabel.

Quando a cidade acordou o sangue já estava secando no chão e um rio de lágrimas entrava pela porta da casa de uma família em que o filho único não volta mais. Nunca mais.

Essa foi certamente a história que mais me abalou esta semana. E por mais que eu quisesse ter a habilidade de descrever a dor desta família, não posso. Não alcanço. O luto ainda está em processo, entre o choque da notícia e a vontade de lutar por Justiça.

O luto é uma dor que se concretiza no amanhã, quando a ausência se faz presente e é tudo que temos. Ausência e lembrança. Ausência e silêncio. Ausência…

Uma coisa é certa, a arma é do Estado.

A bala foi paga com impostos arrecadados de nossos bolsos, o meu, o seu, o da vítima alvejada pelas costas. Portanto, essa tragédia não é só da família de Matheus, é de todos nós. Que, estarrecidos pela violência aviltante, esperamos que as investigações avancem e a Justiça seja feita.

Nos solidarizando com esta família, nossos sinceros sentimentos. Em respeito a vocês optamos por apurar a fundo esta história antes de reportar qualquer informação.

Fomos cobrados, é verdade. Mas, às vezes, temos de escolher entre chegar na frente e chegar no tempo certo, aquele tempo necessário para que você tenha a informação mais precisa. A mensagem mais próxima do pode vir a ser a verdade. Os convido a ler a reportagem na íntegra.

Hoje, 23/04, repouso a caneta e o bloco de notas sobre a mesa para descansar pelos próximos 30 dias. Após dois anos de pandemia, um baita isolamento, e uma agonia danada para ajudar o maior número de pessoas possível… entro de férias.

Não vou mentir, para mim é difícil, porque internamente acredito que eu sou, exatamente, o que eu faço e tenho dedicado minha vida a todas as manhãs pensar em vocês! Em como minha escrita pode melhorar a vida de tantos que nunca vi!

O programa De Frente com O Ouvidor continua, nas mãos experientes e sábias de nosso editor Chefe, Roberto Drumond, que conta com a inteligência, o comprometimento e a jovialidade de Bruno Martins. Assistam!

De longe pensarei em vocês, levo todos comigo. Até breve!

RELATED ARTICLES
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Most Popular

Recent Comments

Érica Alcântara on Homero vira lenda
Érica Alcântara on Homero vira lenda
Érica Alcântara on Homero vira lenda
Ana Maria Monteiro da Silva on Homero vira lenda
Agenor Vallone on Homero vira lenda
Ana Paula Carrara on Homero vira lenda
José Francisco "Chiquinho" on Mais segurança em Arujá