Apenas 11 municípios do estado de São Paulo receberão vacinas para Dengue

COSEMS/SP destaca a importância de uma vigilância constante por parte dos gestores municipais de Saúde, monitorando semanal ou diariamente o cenário epidemiológico da dengue nas cidades

vacina da Dengue

O Ministério da Saúde, em conjunto com o CONASS e CONASEMS, definiu os municípios que irão receber as doses de vacina da Dengue. No estado de São Paulo apenas 11 municípios serão contemplados: Guarulhos, Suzano, Guararema, Itaquaquecetuba, Ferras de Vasconcelos, Mogi das Cruzes, Poá, Arujá, Santa Isabel, Biritiba Mirim e Salesópolis. Todos da região do Alto Tietê.

Foi notícia no Ouvidor

A estratégia foi aprovada pela Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização (CTAI). Na Comissão Intergestores Tripartite (CIT) ficou definido que 521 municípios vão receber a vacina. Segundo nota do Ministério da Saúde, as vacinas serão destinadas a regiões de saúde com municípios de grande porte com alta transmissão nos últimos dez anos e população residente igual ou maior a 100 mil habitantes, levando também em conta altas taxas nos últimos meses.

O público que receberá a vacina, em 2024, será composto por crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, faixa etária que concentra o maior número de hospitalização por dengue, depois de pessoas idosas, grupo para o qual a vacina não foi liberada pela Anvisa. A vacinação será uma aliada em conjunto com todas as demais estratégias no combate à dengue.

COSEMS/SP alerta para o aumento alarmante de casos de Dengue, Zika e Chikungunya no estado de São Paulo

Os casos de Dengue, Zika e Chikungunya continuam a crescer de forma alarmante no Estado de São Paulo, com alguns municípios já declarando situações epidêmicas. A Assessora Técnica do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo – COSEMS/SP, Brigina Kemp, destaca a importância de uma vigilância constante por parte dos gestores, monitorando semanal ou diariamente o cenário epidemiológico, incluindo casos notificados, confirmados, graves, internações e óbitos.

“É fundamental que os gestores elaborem e atualizem planos de contingência, avaliem a disponibilidade dos insumos necessários para prestar assistência aos casos e adotem medidas preventivas de acordo com a realidade de cada localidade”, afirma Brigina Kemp. Ela ainda destaca a necessidade de discussões na Comissão Intergestores Regional (CIR) para buscar apoio estadual e organizar a assistência na região, sugerindo a criação de uma sala de situação intersetorial, se necessário.

Um sinal de alerta é evidenciado nas cidades de Icém e São José do Rio Preto, que apresentam situações particularmente preocupantes. São José do Rio Preto registrou 17 casos confirmados de Chikungunya nas últimas seis semanas de 2023. Em Icém, foram 266 casos investigados entre as semanas 47 a 52, com 53 confirmações, totalizando 71 casos durante o ano todo, conforme o Informe Epidemiológico Semanal de Arboviroses Urbanas – Estado de São Paulo (ESP) SE 01 de 2024.

O ano de 2023 encerrou com 760.424 casos notificados de arboviroses urbanas em São Paulo, incluindo 318.996 casos confirmados de dengue, resultando em 284 óbitos. O Zika vírus teve 973 notificações com 4 casos confirmados, enquanto a Chikungunya registrou 149 notificações com 40 casos confirmados, conforme o Informe Epidemiológico Semanal de Arboviroses Urbanas – Estado de São Paulo (ESP) SE 01 de 2024.

As autoridades de saúde reforçam a importância da mobilização conjunta da população, gestores e profissionais de saúde para enfrentar essa crescente ameaça à saúde pública. A prevenção, vigilância e ações coordenadas são fundamentais para controlar a propagação dessas doenças transmitidas por vetores.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments