Um ano sem solução

Diariamente o esgoto dos bairros Pq. Santa Tereza e Vila Paula deságua no quintal da casa de Francinete. Há um ano o Jornal Ouvidor noticiou este problema que segue sem solução

Cidades Em 08/12/2017 20:27:44

Por Bruno Martins

Amanhã completará um ano que Francinete Neves dos Santos, 59, e o filho Júlio Cesar Santos, 35, procuraram a reportagem do Jornal Ouvidor para relatar um problema que enfrentam há mais de 20 anos. Uma luta diária contra um esgoto que deságua no quintal da família, e que deixa todos doentes. Sabesp promete tão logo realizar as obras necessárias para solução do problema.

Além de nome o problema também tem endereço e acontece na Rua Rio de Janeiro, Nº 111, Bairro Pq. Santa Tereza. De acordo com a família, o esgoto de parte de casas dos bairros Pq. Santa Tereza e Vila Paula, corre livremente pelo quintal de Francinete. De acordo com ela, nos dias quentes o mal cheiro toma conta do espaço e o drama aumenta ainda mais nos dias de chuva: “A pressão da água aumenta e fica impossível conter que ela entre em nossa casa, já perdemos móveis, roupas e até alimentos. Eu não aguento mais isso e já não sei mais a quem recorrer”, revela. 

Desde que o Ouvidor noticiou o drama da família, na edição 1.104, em dezembro do ano passado Sabesp e Prefeitura estiveram na casa da família, mas nada foi feito para solução do problema. Francinete sofre de transtornos mentais e tem um filho com esquizofrenia. Na família todos ficam constantemente doentes, por conta do esgoto que corre no quintal, a última a ir parar no Pronto Socorro foi a neta de 8 meses com diarreias intensas, manchas na pele e alergia.  

A prefeitura foi questionada, mas até a publicação desta reportagem ninguém se manifestou. 

Em nota a Sabesp informou que, desde o ano passado realizou os estudos necessários para prolongamento de rede coletora de esgoto no local apontado, porém como não há faixa de servidão para passagem da tubulação, a empresa aguarda a autorização emitida pelos próprios moradores para que possa implantar a rede: “Conforme apurado junto ao morador responsável pela coleta destas autorizações, um dos proprietários ainda não assinou o documento, o que impede a continuidade do processo para a solução do caso”, informou a Companhia.   

Na página do Jornal Ouvidor no Youtube você confere a entrevista completa com Francinete e o filho Júlio que mostram o estrago que a água de esgoto tem causado na casa da família.