TRISTE OPÇÃO

por Luis Carlos Corrêa Leite

Crônicas Em 26/10/2018 23:36:02

Neste domingo teremos o último capítulo do processo eleitoral para presidente da república. Lamentavelmente, as opções oferecidas ao eleitor são pobres, para um país com a grandeza do Brasil. Merecíamos muito mais, essa é a verdade. De um lado um militar de carreira extremamente modesta, que enveredou pelo caminho fácil da política vinculada a interesses da categoria a que pertenceu. Nunca dirigiu nem uma quitanda. 

De outro um candidato escolhido a dedo pelo ex-presidente Lula. Um homem que não tem passado político, não tem uma carreira pública à altura do cargo postulado. É o que maldosamente se denomina poste. E a história demonstra que postes não dão certo. Veja-se a “presidenta” Dilma.

Por isso, não podemos esperar muito do vitorioso, seja quem for. 

Durante a campanha só tivemos ataques pessoais, cada um buscando a destruição da pessoa de seu oponente. Não se falou em planos de governo, em metas a serem atingidas. Fugiram como, dizem, o diabo foge da cruz, do principal tema para a economia do país: a reforma da previdência. É nesse ponto que reside a grande causa do déficit fiscal, que impede a realização dos investimentos reclamados para o desenvolvimento do país, a criação de empregos e até mesmo a continuidade de planos de assistência como o Bolsa Família. Também não se falou sobre projetos de infraestrutura, como a malha ferroviária e a questão dos portos, essenciais para o escoamento da safra agrícola.

Em vez disso, ficou-se na reprodução das frases lamentáveis ditas ao longo do tempo por Bolsonaro, ou o já sabido passado de corrupção do Partido do Trabalhadores. 

Mas, justiça seja feita, as pessoas parecem estar pouco ligando para planos de governo, para objetivos. Todos estão contra. Umas contra o PT, e se agarram a Bolsonaro. Outras, as eternas viúvas do PT, ligadas às mesmas palavras de ordem ditas desde o tempo em que o PT era um sonho.

Esse sentimento de divisão impediu que, no primeiro turno, os nomes de pessoas realmente capacitadas para o exercício do cargo fossem deixados de lado. É triste.