Travesseiro

por Roberto Drumond

Crônicas Em 01/12/2017 22:01:32

Há muitos anos, ainda no início desse jornal, recebi do então chefe de gabinete do prefeito Mamoru Tomita um conselho que obedeço até hoje e sugiro que os outros também o façam. Não me lembro das razões que levaram Clovis Vieira Porto a me passar essa simples lição de sabedoria. Disse-me ele: “Nunca tome uma decisão sem antes consultar o travesseiro, especialmente se estiver com a cabeça quente”.

Essa semana a prefeita de Santa Isabel Fábia Porto deveria ter se lembrado do conselho que o seu pai, certamente algum dia, lhe deu. Ao tomar conhecimento que o seu vice-prefeito e companheiro de jornada na campanha eleitoral, Carlos Chinchila, havia deixado o partido que o elegeu (PTB), optando por outra legenda, casualmente a mesma do presidente da Câmara (PSD), Alencar Galbiati, correu à sua rede social para fazer um desabafo no qual não poupou críticas aos dois políticos que, em seu entender, se uniram contra ela.

Mudança de partido durante um mandato do executivo é normal. Acontece em função de diversas razões até mesmo para fortalecer uma posição política, mas não necessariamente contra uma pessoa ou proposta. Essas podem ocorrer independentemente de mudar ou não de partido.

Na versão de Chinchila a mudança decorreu da falta de espaço na administração de Santa Isabel. Ele difunde que suas propostas e indicações políticas são simplesmente desconhecidas pela Prefeita. Ou seja, ele não aceita a sua condição de vice-prefeito que é, no dizer da própria organização política brasileira, “uma expectativa de direito”.

No entendimento de Fábia, Chinchila aliou-se a Alencar para aumentar suas chances de ser prefeito de Santa Isabel. É o reconhecimento, feito pela Prefeita, de que o atual presidente da Câmara é uma potência política, ardiloso e competente para lançar um nome e o eleger para um cargo no executivo.

Ao dar vazão à sua raiva, ao buscar desmerecer o seu Vice e o seu mais novo aliado, o vereador Alencar, Fábia tornou uma situação difícil em muito mais do que isso, delicadíssima porque não conteve a sua língua ao desqualificar os dois políticos.

Houvesse Fábia ouvido o conselho do travesseiro ela certamente trataria o episódio com naturalidade, buscando trazer a aliança com o vice de volta com muito mais capacidade de diálogo com aquele que ela julga ser o seu maior “inimigo” e não, simplesmente, adversário.

Amanhã, passada a tempestade, Fábia poderá necessitar tanto do Vice Chinchila como do Presidente do Legislativo, e ficará mais difícil para ela obter essa ajuda o que permitirá aos dois a cobrança de um preço mais alto. A Prefeita se esqueceu que a Câmara consegue derrubar um prefeito, mas dificilmente um prefeito consegue derrubar um vereador (lição também de Clovis Vieira Porto).