Tempo semeia mudanças na economia

Frio diminui produção de hortaliças. E plantação de verduras é atrativo turístico de Santa Isabel.

Perfil Economia & Negócios Em 11/07/2016 15:07:07

Reportagem: Érica Alcântara

 

Vincos na terra serpenteiam a água que desce do morro irrigando toda a plantação. No Bairro Monte Negro, em Santa Isabel, uma família transforma a paisagem da cidade e de longe, emoldura o morro com as cores da alface, couve, pimenta, repolho e muito mais. Airton Adão Sossai, 54, e sua esposa Marli da Silva trabalham em dois alqueires de terra cultivada, trabalho este que engrandece o olhar do turista atento as belezas naturais. “Somos poucos para plantar e no frio há pouco o que colher”, contam.

O inverno seco judia das folhagens, exige mais da família que de 35, chega a esperar até 50 dias para a produção desenvolver. Das 200 caixas que colhiam, passaram a colher 20. Parte da produção que habitualmente vende para a Central de Abastecimento de Guarulhos – CEAG, antes custava entre 07 a 08 reais, mas hoje custa de 18 a 20. “O frio exige mais, do trabalho, de água, de nós”, contam entre sorrisos e notória simpatia. A história da família de Airton é exemplo de como a temperatura muda a lista de ingredientes que compõem o prato dos brasileiros.

Já na porteira, logo à frente do trator, despedem dos turistas de São José dos Campos que pediram fotos do casal sobre a terra que cuidam, Marli com simplicidade ressalta que em Santa Isabel há outras plantações para se descobrir.