Rota das Bandeiras se defende e diz que investe em Igaratá

Depois das declarações do Vice prefeito e do Presidente da Câmara de Igaratá, a Concessionária Rota das Bandeiras se manifesta e divulga alguns dos investimentos já realizados no município

Cidades Em 02/03/2013 12:59:41

A Concessionária Rota das Bandeiras, que administra a Rodovia Dom Pedro I, explicou através de sua assessoria de imprensa o fechamento do acesso localizado na serra da Boa Vista e informou que Igaratá é um dos municípios em que mais a empresa investe.

A prefeitura de Igaratá divulgou, no início de fevereiro, que diversas famílias residentes na região da Serra da Boa Vista estão isoladas, pois a Rota das Bandeiras fechou o acesso a Rodovia no km 34,5. A administração Municipal afirmou que não houve aviso prévio e que acionará a Justiça para garantir o direto dos moradores.

A Rota das Bandeiras, por sua vez, informou que este acesso a rodovia é irregular e o seu fechamento visa garantir a segurança dos usuários. A Concessionária informou também que, com as fortes chuvas de janeiro, a passagem que existia sobre um riacho que corta a estrada municipal desmoronou e a manutenção ainda não foi realizada pela administração municipal, responsável pela estrada, “situação que potencializa o risco de acidentes no local”, destaca. 

Segundo a empresa, para a reabertura do acesso, a prefeitura deve realizar um projeto para a implantação de uma passagem (galeria ou ponte) sobre o riacho, executar as obras, incluindo o alargamento do acostamento da rodovia para as faixas de aceleração e desaceleração dos automóveis, além da implantar a sinalização adequada, depois de obter a aprovação do Poder Concedente.

Sobre a declaração do vice prefeito Ary Fernandes Prianti que, em uma rede social, afirmou nunca ter visto um trabalho tão mal feito e de má qualidade, referindo-se às obras de recuperação da Rodovia Dom Pedro I. A Rota informou que executa o trabalho de recuperação especial do pavimento na rodovia, com implantação de drenagem, recuperação profunda do pavimento, fresagem e implantação de nova sinalização.

“Devido ao excesso de cargas nos veículos pesados que trafegam pela rodovia, alguns problemas isolados foram detectados no trecho de Igaratá e o reparo está sendo providenciado. Temos como prioridade a excelência dos serviços executados, qualquer tipo de problema detectado, os reparos são providenciados imediatamente”, explicou a empresa.

No uso da tribuna, na sessão de Câmara do último dia 20, o vereador Gilmar Ap. Barbosa, afirmou que “a Concessionária não ajuda em nada o município, desde que o Prefeito fez o desvio eles ficaram loucos, e toda vez que a administração pede raspadinha de asfalto, a Rota diz que não pode dar, mas eu vi três carretas levando este material para Bom Jesus dos Perdões”.

Gilmar afirmou que fará um ofício solicitando a intervenção do deputado estadual André do Prado, alegando que a Rota das Bandeiras está com raiva do município, mas Igaratá quer ganhar raspadinhas. 

“A Rota das Bandeiras não tem respeito com o povo”, garante o vereador, acrescentando que “o Prefeito já acionou o Ministério Público para liberar o acesso dos moradores da Serra da Boa Vista à pista”. Contudo, a Concessionária informa, até o momento, não foi comunicada oficialmente sobre o caso.

A Rota das Bandeiras se defende das acusações do vereador e informa que repassou de abril de 2009 a dezembro de 2012, R$ 8,7 milhões de impostos à prefeitura de Igaratá. Além disso, “em 2012 investimos R$ 68,3 mil no projeto de inclusão digital Caia na Rede, que formou 55 jovens; R$ 17,4 mil no projeto Rota da Educação com a formação de 158 alunos; R$ 4 mil no projeto de castração de animais, com 140 atendimentos”, relata.

Já neste mês, a empresa afirma que recebeu 150 crianças da rede pública em ações de educação para o trânsito durante o projeto Parada Legal, “em mais um investimento de R$ 12 mil em Igaratá” destaca.

“Foram doadas 12.500 peças de agasalho nas campanhas realizadas em 2011 e 2012”, informou a assessoria de imprensa.

Sobre a doação de raspadinhas, a Concessionária afirma que faz o levantamento de disponibilidade da quantidade solicitada pela Prefeitura de Igaratá e prepara termo de doação à municipalidade, após a assinatura do termo, o material pode ser concedido.