Por risco de afogamento, comunidade deve evitar rios e lagoas, alerta a Defesa Civil

Quem faz o alerta é a Defesa Civil de Arujá

Segurança Pública Em 11/02/2016 13:19:12

Fonte: Assessoria de Imprensa Prefeitura de Arujá

 

Nadar em rios, açudes, lagos, lagoas e represas de pedreiras desativadas é uma prática que parece inofensiva, mas que não deve ser realizada em virtude do risco de morte e afogamento. Quem faz o alerta é a Defesa Civil de Arujá.

O uso de águas nestas áreas costuma aumentar principalmente aos fins de semana e durante período de férias escolares, sempre motivado pelo forte calor, característico do verão.

Nesta segunda-feira (10/02), a Defesa Civil e a Guarda Municipal vistoriaram locais que costumam receber banhistas, como a lagoa Mario Janela, na região do São Domingos, e uma pedreira desativada localizada no território de Santa Isabel, popularmente conhecida como Lagoa Azul, onde duas pessoas se afogaram no último fim de semana.

De acordo com o comandante da Guarda, o tenente-coronel Altair do Carmo, o principal motivo para pedir que os arujaenses não frequentem estas áreas é o fato de elas serem inadequadas para a natação.

“São lugares muitas vezes bonitos, mas extremamente perigosos. Por uma questão de segurança própria, ninguém deve nadar nestas áreas dado ao risco de ocorrer algum óbito. É muito importante que esta prática aconteça em áreas adequadas, e sempre, havendo criança, em áreas rasas e na presença de um responsável”, afirmou.

Ele também esclarece que na maioria dos casos, os afogamentos são uma consequência da imprudência dos próprios banhistas.

“Na Mario Janela as placas informando para que não se nade lá foram derrubadas e vamos repor o material. Na chamada Lagoa Azul, em Santa Isabel, os cadeados da propriedade, que é particular, foram estourados e os vários avisos de perigo acabaram ignorados”, diz.