Alagamento em escolas municipais

Prefeitura abrirá licitação para contratar equipe permanente de manutenção

Educação Em 24/11/2017 18:23:39

As fortes chuvas que caíram na região nas últimas semanas tiraram o sono dos pais e responsáveis pelas crianças que frequentam as escolas municipais de Arujá. Reclamações e denúncias de goteiras e infiltrações, alagamentos em salas de aula e de recreação despontaram na internet com vídeos e fotos que comprovam os problemas. O secretário de Educação, Márcio Oliveira, informa que todas as providências estão sendo tomadas para resolver a situação de cada unidade.

Na Escola Municipal Zilda Arns, no Bairro Mirante, professores e funcionários contam que no último temporal, eles retiraram os alunos da sala por conta do alagamento. “Tive medo do teto cair”, disse um dos servidores.

De acordo com a assessoria de imprensa, além da Zilda Arns, houve relato de problemas no Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Maria Herbene Patrício Damasceno, no Jardim São José. “No início do ano foram feitos reparos nas unidades, mas o problema atual foi causado pelo entupimento de calhas e conduítes por folhas e galhos de árvores”, explica.

Durante os alagamentos, em algumas salas os alunos foram remanejados em outras dispensados, mas a prefeitura garante que já retornaram às atividades normais. 

“Nos próximos dias será publicado o edital para a licitação referente à mão de obra e aquisição de materiais para a recuperação e manutenção de todas as unidades escolares municipais”, informa a secretaria de Educação.

Andréia Soares é mãe de duas meninas, de 10 e 8 anos, que estudam na EM Zilda Arns. Ela conta que na unidade já foram registrados diversos problemas, como infestação de pombos, segurança e falta de iluminação. 

De acordo com uma funcionária da escola, as lâmpadas de algumas salas de aula estão queimadas, “em dias que a iluminação natural não é boa, os professores dão aula no escuro e agora o problema se agrava por que com nos últimos temporais as salas alagam”, lamenta. 

“Eu fico preocupada. Deixo minhas filhas na escola com medo por que ao menor sinal de chuva as crianças não estão seguras, entra água nas salas e o mais preocupante é o teto da unidade, meu medo é acontecer uma tragédia e aquilo cair causando algo mais sério”, finaliza Andréia.