Prefeitura retém repasse de verba para Santa Casa

Enquanto os equipamentos novos não podem ser instalados, funcionários da Santa Casa seguem trabalhando com lavanderia antiga

Saúde Em 20/02/2021 00:09:52

Por Érica Alcântara

“Você colocaria num pátio a céu aberto um pacote de dinheiro, com mais de cem mil reais, tomando sol e chuva todo dia?” É essa a pergunta que todo cidadão isabelense faz ao chegar no pátio da Santa Casa e se deparar com os novos equipamentos de lavanderia cobertos por apenas por lona e muita película de plástico. “Protegemos o máximo que podemos”, diz um funcionário notadamente preocupado.

Hoje, a lavanderia da Santa Casa funciona com equipamentos antigos, que consomem mais energia que os modernos e deixam o ambiente quente e barulhento. A própria direção da unidade de saúde reconhece que estas condições acabam por desgastar os funcionários que diuturnamente trabalham no setor. 

“Muita gente não imagina a dedicação e a importância que estes trabalhadores têm na manutenção da saúde de um hospital. Mas, são eles, que garantem um leito de UTI – Unidade de Terapia Intensiva ou de Enfermaria cobertos por lençóis limpos, livres de vírus ou bactérias”, explica Alexandre Ribeiro.

Pensando nisso, a Irmandade da Santa Casa, que conta com o apoio de diversos colaboradores, pleiteia constantemente o repasse de diversas emendas parlamentares. Cerca de R$200 mil de emenda do Deputado Federal Márcio Alvino chegaram no ano passado para a aquisição de equipamentos. E, por R$138 mil, foram compradas e entregues: duas lavadoras, duas secadoras, uma centrífuga e uma passadeira industrial.

O problema é que a outra emenda no valor de R$1,5 milhão, enviada pelos deputados Márcio Alvino (PL) e André do Prado (PL), está parada nos cofres da prefeitura de Santa Isabel desde maio de 2020. E como a Prefeitura ainda não repassou o recurso para o hospital, isso impede que as máquinas sejam instaladas, pois a lavanderia precisa ser reformada primeiro.

“Essa semana a centrífuga quebrou, o conserto ficaria em quatro mil reais, nós então improvisamos e instalamos a nova até que a reforma se torne uma realidade”, explicou Alexandre que, quando questionado, não sabe informar por que o recurso ainda não foi liberado.

A direção do hospital também não soube informar quais os possíveis danos que estes equipamentos podem sofrer, caso sejam mantidos no pátio.

Câmara já autorizou repasse

No dia 15 de dezembro de 2020 a Casa de Leis de Santa Isabel aprovou o repasse da emenda de R$1,5 milhão para a Santa Casa. 

Na ocasião, o então vereador Clebão do Posto, parlamentar que intercedeu junto aos deputados o pedido de emenda, disse: “O valor está nos cofres públicos da prefeitura desde maio, por isso me empenhei para a liberação da verba à Santa Casa de Santa Isabel”.

Hoje Clebão vê com preocupação a morosidade da gestão pública em liberar recursos para o hospital. “Eu passei 12 dias internado por causa da Covid-19, a Santa Casa me salvou e não é por eu ser parte da irmandade, mas por eu ser parte desse povo que, desde a sua fundação, o hospital sempre atendeu de portas abertas. E eu não estava sozinho na batalha contra esse vírus, outros também estavam lutando pela vida, mas nem todos conseguiram”, disse.

De acordo com o Projeto de Lei nº 58, de 15 de dezembro de 2020, a Prefeitura pode prestar auxílio financeiro à Santa Casa de Misericórdia de Santa Isabel de forma que a integridade do valor seja, obrigatoriamente, aplicada na aquisição de suprimentos e produtos hospitalares para atendimento adequado à população, na aquisição de mobiliários e equipamentos e na realização de reformas e adaptações físicas para aumento da oferta de leitos SUS de enfermaria e terapia intensiva, bem como o respaldo ao aumento de gastos da entidade com a realização de protocolos assistenciais no enfrentamento do combate e situação de emergência decretada no que se refere ao Covid-19.

Clebão salienta que a reforma do hospital do município faz parte de exigências da vigilância do Estado. “Me preocupa também o fato de que a reforma geral do hospital depende de aproximadamente R$4 milhões, mas se a prefeitura não consegue dispor nem dos primeiros R$1,5 milhão. Esse imbróglio definitivamente desestimula o repasse de verbas para o município”, lamenta Clebão.

NO AGUARDO

O prefeito de Santa Isabel, Dr. Carlos Chinchilla, informou ontem, dia 19/02, que aguarda o parecer do Departamento Jurídico, do Controlador Interno e a consulta ao Tribunal de Contas.

“O parecer do jurídico e o aval do Controlador Interno são indispensáveis para a legalidade na liberação dos recursos públicos, em concordância com os princípios da administração pública e o Ministério Público”, disse Chinchilla.