Pescando renda

Apasian integra a criação de peixes com hortaliças totalmente orgânicas e dinheiro arrecadado com a venda dos produtos e revertido em ajuda a associados de baixa renda

Perfil Economia & Negócios Cidades Em 28/05/2016 12:52:05

Reportagem: Bruno Martins

 

 

O termo Aquaponia é derivado da combinação das palavras aquicultura (produção de organismos aquáticos) e hidroponia (produção de plantas sem o uso de terra).

Criar peixes e ao mesmo tempo cultivar hortaliças. Geralmente integrar essas produções requer uma área de grande extensão, mas a Associação dos Pescadores de Santa Isabel e África Nilo (Apasian) prova que é possível colocar tudo isso dentro de um pequeno espaço. A técnica denominada Aquaponia é quase uma terapia que, mais do que unificar a criação e o cultivo, tem contribuído para a geração de renda de famílias de baixa renda. 

Jair Simão, ex-presidente da Apasian, montou nos fundos da sua casa uma estrutura que conta com duas caixas d’água de mil litros cada, duas banheiras e canos de PVC. Tudo funciona por intermédio de bombas que jogam a água de um recipiente para o outro. Para montar a Aquaponia, Jair investiu cerca de R$400,00, recurso gasto apenas na comprar dos canos, bombas de aquário, mangueiras e outros acessórios, todo o resto foi feito com material reaproveitado.

Em cada caixa d’água Jair cria 25 quilos de Tilápia, a sujeira dos peixes é bombeada para um decantador, que ele fez usando uma banheira velha. Neste processo, as fezes e amônia liberada pelas Tilápias contribuem ainda para a geração de lemna, planta que além de tratar os efluentes serve para alimentar os peixes, reforçando ainda mais os seus nutrientes. Toda a água passa por um filtro biológico feito com planta de papiro, argila expandida e cacos de telha, que retêm a sujeira transformando a amônia em nitrato. A água então já adubada, pelos dejetos dos peixes, é enviada através de uma bomba para os tubos de PVC, na parte superior, onde estão os pés de alface. Em seguida a água volta por gravidade, para as caixas d’água, retomando assim todo o ciclo.

A Apasian comprou os alevinos em um laboratório em outubro do ano passado. E os primeiros peixes foram vendidos no final de março no peso ideal. “Adquirimos o peixe com menos de 100 gramas e em seis meses ele já está pronto para ser comercializado”, diz. 

Com essa primeira venda a Apasian teve um lucro de aproximadamente R$1.600,00. O dinheiro é utilizado para pagar as contas de água, luz e telefone de sua sede: “Também utilizamos o dinheiro para ajudar as famílias associadas ao nosso projeto. Alguns estão desempregados ou possuem baixa renda salarial e através da Aquaponia conseguimos levantar fundos para ajudá-los em suas despesas pessoais, como cestas básicas, por exemplo”, explica Jair.  A Apasian possui cerca de 80 membros, porém poucos conseguem contribuir com a mensalidade mensal de R$10,00. 

A Associação estuda outros tipos de cultivo de hortaliças, no momento os pés de alface estão sendo divididos entre os membros e familiares, mas o objetivo da Apasian é comercializá-los também: “Queremos em breve criar lambaris, pois essa espécie de peixe é mais fácil de vender”, disse.

Para o presidente da Apasian Vicente de Paula, tanto a Aquaponia, quanto a produção em tanques de rede que a Associação já realiza contribui e muito para o fim da pesca predatória: “Nosso objetivo é vender em peixarias que, infelizmente, ainda vivem da pesca predatória. Nossos peixes não são expostos a substâncias químicas, são abatidos na hora e de forma correta”, pontua. 

Quem tiver interesse em montar um sistema de Aquaponia em casa, a Apasian se prontifica em ajudar na montagem da estrutura: “Queremos aumentar a nossa produção, por isso pretendemos montar este sistema na casa de nossos associados, os não-sócios também podem contribuir, basta nos procurar. Não há necessidade de ter um espaço grande para isso, até com um aquário de sala é possível gerar legumes totalmente orgânicos”, diz.

A sede da Apasian está na Rua Mar Vermelho, Nº 08, Bairro Vila Nova em Santa Isabel. Tel.: 11 95304-2196.