Passagens de ônibus não terão aumento

A Justiça de São Paulo suspendeu o aumento nas passagens de ônibus intermunicipal administrados pela EMTU. Passageiros declaram aumento injusto e denunciam problemas

Trânsito Cidades Economia & Negócios Em 13/01/2017 19:30:33

Reportagem: Bruno Martins

 

O aumento de mais de 7% na tarifa de ônibus intermunicipal durou pouco menos de três dias. Por considerar que não havia motivos técnicos que justificassem o reajuste, a justiça de São Paulo mandou suspender na quarta-feira, 11/01, o aumento na passagem dos coletivos administrados pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU). EMTU declara que irá recorrer desta decisão. 

Desde a meia noite de ontem, 13/01, a EMTU voltou a cobrar os valores antigos em todas as linhas intermunicipais administradas por ela. Na região, a decisão envolve as linhas que prestam serviços a Arujá e a Santa Isabel. Os valores no Consórcio Internorte, por exemplo, que ligam Santa Isabel e Arujá com a Capital Paulista, o reajuste foi de 7,18%, o maior de todo o estado de São Paulo. No Consórcio Unileste que liga Santa Isabel e Arujá com as cidades do Alto Tietê o reajuste foi de 6,64%.

A tarifa da linha 219 (Santa Isabel – Estação Armênia do Metrô) subiu de R$7,10 para R$ 7,60, agora com a decisão judicial a passagem voltou ao valor antigo. Quem utiliza os serviços diz que o aumento é injusto uma vez que o serviço precisa melhorar: “Utilizo a linha 219 há anos e não consigo me lembrar sequer uma vez que houve alguma melhoria para nós passageiros, muito pelo contrário, o serviço só piorou”, disse Willian Prado que mora em Santa Isabel e trabalha na Capital. 

Nesta semana um outro passageiro que também utiliza a linha 219, enviou um vídeo para o WhatsApp do Jornal Ouvidor (11) 9 8904-6228, no momento em que chovia em um trecho da Rodovia Presidente Dutra, e uma goteira de água da chuva começou a cair do teto do ônibus: “Pagamos uma tarifa cara para ter um serviço deste?”, questiona.

Em nota a EMTU informou que o aumento na tarifa levou em consideração o percentual médio do reajuste com os custos de insumos, transporte, mão de obra e combustível, além de cláusulas contratuais com os próprios consórcios.  A Empresa garante que fiscalizará exclusivamente a linha 219, a fim de verificar a demanda de passageiros e se houver necessidade fará mudanças para melhorias. 

 

Notícias Relacionadas