Para prefeito José Luiz Monteiro, pedágio na Mogi-Dutra é injustificável

“Nós, prefeitos, trabalhamos diariamente para resolver os problemas das nossas cidades sem ter de cobrar, ainda mais, do cidadão que já sofre, e muito, com o momento econômico atual do Brasil. Não há nada que justifique essa intenção”, disse.

Trânsito Turismo & Natureza Política Cidades Economia & Negócios Em 25/10/2019 22:20:27
por AIPMA

Injustificável. Desta maneira o prefeito José Luiz Monteiro classifica a possibilidade de implantação de pedágio no quilômetro 45 da Rodovia Mogi-Dutra (SP-88). “Nós, prefeitos, trabalhamos diariamente para resolver os problemas das nossas cidades sem ter de cobrar, ainda mais, do cidadão que já sofre, e muito, com o momento econômico atual do Brasil. Não há nada que justifique essa intenção”, disse.

A instalação de uma praça de pedágio na rodovia que liga Arujá a Mogi das Cruzes e outras cidades da região foi um dos principais pontos de audiência pública que a Agência de Transporte de São Paulo (Artesp) promoveu em Mogi das Cruzes, esta semana. A medida ocorreria em função da concessão da via à iniciativa privada.

O trecho arujaense da Mogi-Dutra está sendo duplicado após 14 anos da entrega da primeira parte da obra, entre Mogi das Cruzes e a rodovia Ayrton Senna. “Foram anos de reivindicação, reuniões e cobrança para duplicarem o perímetro de Arujá e jamais houve qualquer menção sobre pedagiar a estrada. Os usuários da Mogi-Dutra e os moradores de seu entorno podem contar com meu apoio”, explicou o prefeito.

Condemat

Monteiro também tratou do assunto com os demais prefeitos da região nesta sexta-feira (25/10), durante reunião do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat).

Em comum acordo, todos decidiram subscrever um documento, juntamente com os deputados da região, manifestando a contrariedade ao pedágio. O ofício será encaminhado para a Artesp, com cópia para o governador de São Paulo, João Doria.