O Narciso atual e as redes sociais

por Camila Britto

Crônicas Em 26/06/2020 17:33:35

Na Grécia antiga, popularizou-se um mito conhecido até hoje, de um belo homem detentor de uma beleza arrebatadora. Seu nome era Narciso, e desde pequeno sua mãe o proibiu de olhar-se no espelho, para que não se impressionasse com seu reflexo. Durante toda a vida, desprezou lindas mulheres e ninfas, acreditando que nenhuma delas era boa para ele. Sua arrogância despertou um desejo de vingança de suas admiradoras: que ele amasse alguém que não pudesse ter. Assim, Nêmesis, a deusa punidora, fez com que Narciso visse seu reflexo em um rio de águas cristalinas. O rapaz se apaixonou por si mesmo, e ludibriado pela própria aparência, afogou-se no rio.

O transtorno de personalidade narcisista, abordado na entrevista que está disponível no Facebook e no YouTube do Jornal Ouvidor, é naturalmente um assunto que desperta muita atenção, pois vivemos um momento único com o advento das redes sociais, que reforçam ainda mais um comportamento narcísico. 

O narcisismo é classificado como um transtorno de personalidade, caracterizado pelo senso exagerado de importância, arrogância, baixa tolerância às críticas, e necessidade constante de receber atenção, principalmente por meio de sua imagem.

Esse transtorno acomete mais os homens, e não é raro que pessoas que se envolvem com tais indivíduos vivam um relacionamento abusivo. Porém, também há muitas mulheres narcisistas, inclusive mães, que projetam em seus filhos as frustrações da própria vida, fazendo a criança se sentir culpada e diminuída.

Atualmente, o narcisista, que adora atenção, usa as redes sociais para obter o maior número de likes, comentários e admiradores possíveis. Esse é um comportamento que o faz se sentir superior e estável. Quando, ao contrário, não tem a atenção que acredita merecer, fica muito abalado e pode até mesmo se isolar.

O indivíduo com esse transtorno está sempre buscando neutralizar sua insegurança por meio da admiração alheia. Há uma enorme ansiedade causada pelo medo do desamor.

Se há algumas décadas o sujeito narcisista precisava contar suas histórias mirabolantes em rodas de conversa, hoje ele pode simplesmente postar uma foto e satisfazer sua necessidade de reconhecimento. Ele constrói uma pseudo identidade com base na ideia que faz de poder, beleza, sucesso e superioridade.

Em uma sociedade que é baseada na ostentação do ter, há cada vez mais seres que enxergam apenas a si mesmos.

As telas dos smartphones e computadores se abrem como o espelho de Narciso, espelho esse que refletirá não a realidade nua e crua, mas uma idealização perigosa e mortal.