No Pé do Ouvido

por Redação

Crônicas Em 16/10/2020 22:56:13

XENOFOBIA – É o mais novo surto que acomete a região. O dicionário diz que é “desconfiança, temor ou antipatia por pessoas estranhas ao meio daquele que as ajuíza, ou pelo que é incomum ou vem de fora do país; xenofobismo”. Esse tipo de discriminação está surgindo na campanha eleitoral.

XENOFOBIA 2 – Em Igaratá acomete um grupo que critica as pessoas que, não tendo nascido na cidade, estão se envolvendo na política e na vida local. Esquecem que o local de nascimento é um acidente de percurso, ninguém escolhe.

XENOFOBIA 3 – Já a opção de morar em um local é o reconhecimento da qualidade de vida naquele determinado lugar. É uma atitude responsável, consciente e o que é mais importante: transformadora, pois propõe melhorar as condições de vida daqueles que o destino impôs de ficarem no mesmo lugar.

XENOFOBIA 4 – Em Santa Isabel o fenômeno também está acontecendo na campanha. Estão tratando um candidato a prefeito como “importado”, não reconhecendo a sua condição de brasileiro naturalizado, casado com brasileira e pai de filhos também brasileiros. Em qualquer país do mundo ele seria considerado nativo pois escolheu a cidade para viver.

CHUVA – Um vereador de Igaratá, da oposição á atual administração, está se especializando em seguir as máquinas da Prefeitura quando vão para as estradas rurais. Enquanto as máquinas trabalham ele visita as famílias da região e assegura que os equipamentos atendem a uma solicitação dele. 

CHUVA 2 - Mas se pressente que o tempo vai virar, fica quieto esperando a chuva. Depois posta nas redes sociais a imagem de veículos trafegando no lamaçal criticando a obra. O certo seria ele combinar com São Pedro para saber qual melhor tática para obter mais votos.

JUSTIÇA – Quando dissemos que essa campanha eleitoral seria disputada na Justiça não estávamos errados. As redes sociais já estão cheias de mensagens que, se alguém procurar, poderá se divertir fazendo denúncias e dando trabalho para a Justiça Eleitoral. Até casos antigos estão sendo ressuscitados na tentativa de sujar a reputação alheia.

QUEM ESCAPA – Só vai escapar dos processos os candidatos que fizerem uma campanha educada e inteligente. Valorizando e debatendo melhores propostas para os municípios. A velha política de desfazer a reputação alheia está sendo condenada pela Justiça eleitoral. 

FAKE – Em Igaratá duas fakes já foram deletadas. Um site que se especializou em publicar inverdades a respeito do atual prefeito foi mandado tirar do ar e o seu autor impedido de continuar publicando material semelhante. Corre o risco de ter de pagar multa no valor de R$5.000,00

FAKE 2 – Até o Facebook foi condenado a informar o autor de uma página fake. Se não cumprir a sentença terá de pagar uma multa de R$1000,00 por hora até o máximo de R$100.000,00. O melhor é evitar o risco. E ainda há quem acredite que internet é uma terra sem lei.

PESQUISA - Na terça-feira, a Juíza Dra. Claudia Villibor Breda considerou irregular e mandou suspender uma pesquisa eleitoral divulgada pelo “Jornal Gazeta Regional”. O Partido Social Cristão (PSC), foi quem pediu a impugnação da pesquisa, contrariando outras pesquisas realizadas por outros partidos. O jornal não reagiu à determinação da Justiça.

REJEITADOS - O candidato a Prefeito de Arujá Capitão Rodrigo e dois outros candidatos chegaram a ser condenados em primeira instancia, a pagar uma multa de R$10 mil por uso de fake news e propaganda eleitoral ilegal nas redes sociais, contra o também candidato a Prefeito de Arujá Dr. Luís Camargo. Mas ontem, no final do dia, o recurso do Capitão ao Tribunal Regional Eleitoral foi acatado e derrubou a condenação.

ANTECIPADA – A Justiça também acatou a representação da coligação “O Trabalho tem de Continuar” de Santa Isabel e determinou a retirada das redes sociais do Facebook de um vídeo produzido e veiculado em 14 de agosto pela coligação liderada pelo candidato Clebão. A Justiça entendeu que a veiculação foi propaganda antecipada. O não atendimento à determinação judicial poderá render uma multa de R$5.000,00.

EM DOBRO – Um grupo político entrou na Justiça com a reclamação de que a executiva estadual do PSL destituiu uma comissão anteriormente existente em Santa Isabel para constituir uma outra comissão entregue ao grupo liderado pelo candidato Carlos Chinchilla. Entre as alegações apontadas diz que a decisão da presidência do partido no Estado, agiu sem sequer consultar a sua base partidária no município, à revelia de seus integrantes. Cita também que o partido, em Santa Isabel, está com dois CNPJs, o que constitui uma ilegalidade.

EM DOBRO – A Justiça Cível, onde foi protocolada a reclamação se manifestou apontando que a demora em apresentar a denúncia prejudica o exame do mérito do caso em decorrência da premência do tempo até o Julgamento da ação. A defesa do partido entretanto contestou, apontando a Justiça Eleitoral como responsável pela análise do caso, uma vez que se trata de disputa eleitoral. O caso pode demorar, mas a tendência segundo especialistas, é acabar depois do dia 15 de novembro