No Pé do Ouvido

por Redação

Crônicas Em 09/11/2018 23:17:41

IGARATÁ

ROMARIA – Sem poder usar os carros da Câmara, em razão de denúncias de uso irregular feitas pelo advogado Osmar Prianti, os vereadores de Igaratá estão fazendo romaria no gabinete do prefeito Celso Palau. Querem garantir a generosidade de conseguir transportes com o chapéu alheio. 

ROMARIA 2 – Mas os vereadores não abrem mão dos veículos do legislativo estacionados na garagem. O único que escapa é o presidente que, na falta dos carros da Câmara, usa o da secretaria da Saúde. Os demais, ao invés de serem cedidos para o executivo onde poderiam ser utilizados pela população, ficam parados a espera de que a vigilância canse de esperar.

INCÔMODO – Moradores de Igaratá reclamaram ao alto volume de som de alguns estabelecimentos comerciais que insistem em funcionar até altas horas da noite. Essa semana dois estabelecimentos foram lacrados, mas não por causa do som (embora esse também incomodasse), mas por falta de documentos.

INCÔMODO 2 – Embora estivessem abertos há mais de dois anos nenhum dos locais possuía alvará de funcionamento, sequer inspeção sanitária apesar de lidarem com alimentos. Foram abertos e começaram a funcionar graças a ligações com o poder público na administração passada e, agora estão correndo atrás de resolver suas pendências.

RECLAMÃO – Um dos locais lacrados pela fiscalização publicou em sua rede social uma enorme reclamação dizendo-se perseguido pela atual administração municipal e confessando que, ao promover som ao vivo, quer apenas oferecer lazer e entretenimento para a população. Durma-se com um barulho desses.

NOVA DIREÇÃO – O Legislativo de Igaratá elegeu, na última quarta-feira, o presidente da Mesa administrativa de 2019. Será o vereador João Neirton Alves (PR).

SANTA ISABEL

FISCALIZAÇÃO - O pedido de informação a respeito de um estabelecimento comercial no bairro Cachoeira solicitado pela vereadora Patrícia gerou opiniões controversas. Sem saber da real situação do estabelecimento, o vereador Reinaldo defendeu de antemão o comerciante, com a justificativa de que caso a fiscalização fosse até o local, puniria e prejudicaria mercadinho na localidade.

FISCALIZAÇÃO 2 - O vereador Reinaldo se prontificou a votar contra o requerimento que, na sua opinião, a fiscalização deveria ser feita apenas aos grandes comerciantes da cidade e não os pequenos, por considerar injustiça, covardia e perseguição.

FISCALIZAÇÃO 3 - Diante do discurso de Reinaldo, o vereador Márcio lembrou que a Lei tem que ser igual para todos e que, mesmo se houver alguma irregularidade, o proprietário é responsável em solucionar o problema. E o Legislativo não pode intervir a favor devido suposta utilidade do comércio.

SOFTWARE - “Com tantos problemas a serem resolvidos por falta de verba e a prefeitura está investido dinheiro para informatizar a secretaria de educação!”, essa foi a observação do vereador Ti Nagate criticando a aquisição de um aplicativo de gerenciamento de tarefas ao custo de 910 mil reais. Para ele esse dinheiro deveria ser investido na saúde.

SOFTWARE 2 - Paulinho Investigador disse repudiar acusações sem o conhecimento da origem do recurso. Ele lembrou que as chamadas verbas carimbadas chegam com fins específicos, e não podem ser remanejadas. E qualquer acusação sem o conhecimento é pura politicagem e uma injustiça.

CONFIANÇA – Enquanto em muitos setores os serviços paralisam sob a justificativa que a Prefeita Fábia Porto está cortando gastos, no gabinete o Estrangeiro voltou ao deleite da sala guarda da Chefe do Executivo. Ainda não foi confirmado o custo para manter alguém que se auto intitula tão influente, mas só consegue cargo de confiança em Santa Isabel. 

PILATOS - “Ser prefeito? Jamais! Tenho problemas demais e não quero perder a minha saúde. Ninguém tem noção da tanta raiva que eu passo aqui”, desabafou o vereador Gabriel. Segundo ele, o Cresamu funciona em qualquer outro lugar, menos em Santa Isabel.

BOM MOÇO – Na Câmara, Clebão do Posto repudiou as críticas do vereador Gabriel a respeito do Cresamu (Consórcio de Regional do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e sugeriu ao colega procurar se informar antes de criticar e não fazer as contas no “achismo”. 

EXPLANAÇÃO - A primeira sessão ordinária do mês de novembro durou quase cinco horas. Os presentes ouviram muito discurso e muita repetição da atual situação caótica da Saúde no município. O plenário se transformou em palco de acusações e defesas. Sem entender a população viu a guerra de seus eleitos.

EXPLANAÇÃO 2 - Luizão Arquiteto se pronunciou cobrando atitude da população que em sua opinião não participa dos debates para buscar solução. “A população reclama no Facebook dos problemas da cidade, mas não participa de debates propostos nas audiências públicas, não participa dos Conselhos da cidade, a população precisa mudar de atitude. Hoje pensei que a Câmara estaria cheia e não, ninguém se interessa em vir aqui”, declarou decepcionado.

EXPLANAÇÃO 3 - Na quarta-feira, 7/11, a Câmara de Santa Isabel realizou a Audiência Pública para definir o Orçamento municipal de 2019. Entretanto, as poucas pessoas se dispuseram a sair de casa para o acompanhamento dos trabalhos não entenderam nada. A audiência foi uma aula teórica a respeito de Contabilidade pública, com slides de diagramas e poucos números. No telão foi impossível ler os valores apresentados na planilha do orçamento.

AUDIÊNCIA - Ao ser questionado por uma munícipe, o contador da Câmara, Prof. Alexandre di Pietra não soube responder se haveria uma verba destinada ao bem-estar animal. O resumo da planilha orçamentária, muito sintetizada, não possibilitou a resposta imediata desta e de outras questões que envolviam destinação de recursos.

AUDIÊNCIA 2 – Das duas horas reservadas para o debate da LOA, 78 minutos foram consumidos pela aula de contabilidade pública. A falta de objetividade deixou irritados alguns dos poucos presentes, entre eles vereadores que passaram um bom tempo examinando suas correspondências no celular.

AUDIÊNCIA 3 – Depois de explicar como deveria funcionar o sistema de análise das propostas de despesas da LOA, Alexandre di Pietra disse que a falta de categoria na programação impede e prejudica a tarefa de prestação de contas para verificação das metas propostas.  21 pessoas estavam presentes ao evento na Câmara Municipal, entre eles os vereadores Clebão (que dirigiu os trabalhos); Paulinho Investigador e Ti Nagati. O secretário Marquinhos Pelikan chegou no meio da aula.

AUDIÊNCIA 4 – Em resumo: dividido em programas atribuídos às secretarias o orçamento de 2019 está estimado em R$161.720.000,00. Estão destinados R$59.701.500,00 para a educação; R$30.282.0500,00 para a saúde; R$962.000,00 para o esporte e lazer. A Câmara municipal tem o orçamento fixado em R$6.105.000,00.

AUDIÊNCIA 4 – Algumas destinações são estranhas e aparentemente redundantes: a Guarda Municipal, por exemplo, tem reservado R$ 1.893.000,00. O departamento de águas e esgoto (atualmente entregue à Sabesp) tem orçamento de R$977.000,00.  O item “Agropecuária Sustentável” é beneficiada com uma verba de R$595.000,00. Saiba o orçamento de todas as secretarias no site www.jornalouvidor.com.br

ESCURIDÃO TOTAL – Um tema quente na sessão da semana passada foi a iluminação pública. Por falta de manutenção diversas ruas e avenidas da cidade estão às escuras. A licitação feita para a contratação de uma empresa que realize a manutenção foi cancelada por motivos obscuros. Tem gente acreditando que é a luta pelo poder dentro da Prefeitura: o conflito entre duas forças políticas está deixando a cidade apagada.

VIAÇÃO - Funcionários da Empresa Viação Suzano, nova gestora do transporte público em Santa Isabel, relatam que estão perdendo direitos. “O salário dos motoristas escolares era em torno de R$1.800,00, mas eles reduziram para R$1.200,00 e quem não aceita é demitido”, diz um trabalhador que prefere não se identificar.

VIAÇÃO 2 - O VR – Vale Refeição com a PEM era de R$290,00, mas a Viação Suzano supostamente cortou este recurso e passou a fornecer uma cesta básica. “Analisando os produtos a cesta deve custar uns R$100,00”, lastima o funcionário pela redução do benefício.

VIAÇÃO 3 - Quem se mantém no trabalho, reclama das condições, diz que a Viação proíbe que os funcionários almocem na empresa, pois ela não possui refeitório. “A gente come onde consegue se abrigar da chuva, do lado de fora”, reclamam.

VIAÇÃO 4 - Motoristas alegam que já tentaram novo contato com a prefeita Fábia Porto, mas ainda não conseguiram encontrá-la. Enquanto isso, no PAT – Posto de Atendimento ao Trabalhador, localizado na Praça da Bandeira, desde quinta-feira, 08/11, há 20 vagas de motorista de ônibus urbano.