No Pé do Ouvido

por Redação

Crônicas Em 26/10/2018 23:44:28

ARUJÁ

ECONOMIA – Durante encontro para debater a gestão compartilhada das creches municipais, o secretário de Planejamento, Juvenal Fernandes Penteado, anunciou que o Prefeito José Luiz Monteiro já prometeu reduzir o próprio salário de R$21.964,15/mês. E também dos demais integrantes do primeiro escalão da sua administração. Ou seja, além do prefeito, o vice, os secretários e os diretores vão ter que se virar com honorários mais econômicos para o município. É possível que muita gente pule do barco.

ECONOMIA 2 – Juvenal disse que além da diminuição dos salários, estão sendo estudadas medidas como terceirização da frota de veículos, corte de horas extras e demissão de comissionados. E as secretarias que residiam em prédios alugados estão sendo transferidas para prédios próprios. Ora, mas se já tinha imóvel público, por que pagava aluguel?

SAÚDE – Na terça-feira, dia 23/10, a Câmara Municipal de Arujá promoveu o 1º Fórum de Debates sobre a Saúde Pública em Arujá. A vereadora Ana Poli coordenou os trabalhos e compôs a mesa com os colegas: Rogério da Padaria e Renato Caroba. 

SAÚDE 2 – Mas no final, reuniram sugestões de melhorias e essas propostas formarão um documento que será protocolado na secretaria. Quem tiver o interesse de acompanhar de perto a evolução das propostas, o Conselho de Saúde se reúne toda segunda 5ª feira do mês, às 14h, na sala de reuniões da Secretaria de Saúde (Major Benjamin Fraco, 425 - Centro). As reuniões são abertas aos públicos.

EDUCAÇÃO - Dois meses, 42 escolas e creches vistoriadas e um complexo raio X da Educação municipal: este foi o resultado de uma série de fiscalizações à rede de ensino arujaense realizada pelos vereadores da Comissão de Educação da Câmara Rogério da Padaria e Luiz Fernando. Foi um trabalho árduo, só o Tim Tim não apareceu.

EDUCAÇÃO 2 – O documento final foi entregue na sexta-feira (19/10) à promotora substituta Dra. Julia Fernandes Caldas, no Fórum. Como reflexo da ação, o Poder Executivo foi convidado a prestar esclarecimentos ontem, dia 26/10, conforme a promotora relatou por telefone. 

IGARATÁ

ERRADO – O vereador Juliano Enfermeiro, presidente do legislativo de Igaratá, acompanhado dos vereadores da oposição, gravou um vídeo defronte a creche municipal afirmando que o orçamento da secretaria de Educação é de R$16 milhões e que tem dinheiro sobrando para construir uma cobertura entre a creche e a escola.

ERRADO 2 – Para quem analisou e aprovou o orçamento municipal de 2018, afirmar que a educação tem R$16 milhões, é assinar um atestado de ignorância e incompetência. A educação tem o orçamento fixado pela Constituição Federal em 25% da receita prevista do município. A Câmara de Igaratá aprovou, em 2017, o orçamento em pouco mais de R$40 milhões.

ERRADO 3 – Se a secretaria de Educação tivesse os R$16 milhões, o orçamento municipal seria de R$64 milhões, dinheiro que permitiria até mesmo convidar o vereador Coquinho Toldinho, especialista no assunto, a instalar um hipertoldo entre as duas unidades de ensino.

VOTAÇÃO – O legislativo de Igaratá não votou nessa semana o projeto que altera a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2018 para a inclusão do recurso de R$2,5 milhões liberados pelo Desenvolve SP destinados à pavimentação do desvio do pedágio. O vereador Juliano Leite disse ao prefeito Celso Palau que antes de colocar em votação, quer saber se o município terá a contrapartida (um milhão) necessária para o empreendimento.

VOTAÇÃO 2 – Palau já enviou para a Câmara os documentos que comprovam que há, no caixa da Prefeitura, R$1,5 milhão proveniente do fundo de recursos hídricos destinados a esse investimento. Com a aprovação da emenda orçamentária a licitação poderá ser aberta com possibilidade de início das obras ainda nesse ano.

SANTA ISABEL

MUDANÇA NO GOVERNO - Em pronunciamento via facebook, Cleber Kerchner anunciou na quarta-feira, 24/10, a sua saída do cargo de secretário de Saúde de Santa Isabel para reassumir como vereador e Presidente da Câmara Municipal. Cleber afirmou que uma nova equipe de urgência e emergência está sendo preparada para atuar em conjunto com o Cresamu. A previsão para início de atendimento deverá acontecer a partir da próxima quinta-feira, 01/11.

ORÇAMENTO - Prefeita Fábia declarou que o município passa por problemas orçamentários e os imprevistos na gestão da saúde se tornaram motivos de críticas e descontentamento da população. Cleber lembrou que houve um aumento de demanda de 30%, e queda do repasse, o que acarretou na dificuldade na gestão da saúde.

MAZELA - Após anunciar a saída de Cleber, a prefeita Fábia convidou publicamente o vice-prefeito, Dr. Carlos Chinchilla a assumir a secretaria de Saúde. Lembrou que a eleição foi ganha em conjunto e que as responsabilidades devem ser divididas, uma vez que a população reconhece a sua competência profissional na área da Saúde. Prometeu relevar as mazelas e brigas em prol da população e finalizou dizendo que estaria esperando uma resposta até o final do dia.

NADA OFICIAL - Enquanto o convite era feito no facebook pela prefeita Fábia, Dr. Carlos Chinchila trabalhava, acompanhando o transporte de um paciente em estado crítico. Após receber a informação, fez a sua manifestação na mídia social, afirmando que precisa analisar previamente o convite e que não gostaria de ser objeto de articulação política para encobrir as deficiências da atual gestora municipal.

NADA OFICIAL 2 - Vereador Márcio Pinho, líder da bancada da Prefeita na Câmara, que na semana passada foi consultado para assumir como Secretário de Saúde recebeu o convite endereçado ao Dr. Chinchila com indignação. Afirmou em sua rede social que a Saúde está sendo usada como instrumento político e que, diante da crise que todos estão passando, é inadmissível brincar com a vida das pessoas.

NADA OFICIAL 3 – Para Márcio o problema não é a crise da saúde, é uma “crise de governo” e total desorientação da Prefeita que fica atendendo sugestões de uma assessoria descomprometida com o município e que brinca de governar. – Se a Prefeita estava disposta a conversar comigo deveria ter, até por educação, me consultado antes.

BEM OFICIAL – Na semana passada Fábia Porto consultou se o vereador Márcio Pinho deixaria a Câmara para integrar o governo em substituição ao Clebão do Posto.  - Ela marcou uma reunião comigo às 14h, depois desmarcou e surpreendeu todo mundo com o convite mais anti-político que já vi em minha vida!, conta o Vereador.

VOZ DO POVO - Muitos internautas aprovaram a possibilidade do Dr. Carlos assumir como novo secretário da saúde. Mas a maioria reprovou o convite tardio feito pela Prefeita e apontam que se fosse feito no inicio da gestão, a Saúde em Santa Isabel estaria em melhores condições.

CAMPANHA - Luizão Arquiteto divulgou um vídeo no seu Facebook em que solicita que o Dr. Carlos assuma a secretaria de Saúde, afirmou que estamos vivendo um momento crítico na Saúde e que intrigas políticas devem ser deixadas de lado.

INTERNET – Nas redes sociais circula um texto de WhatsApp atribuído a Clebão do Posto onde ele comemora o que chama de jogada de xadrez. Diz o texto digitado pela pessoa a quem a mensagem foi endereçada: “Adorei!!! Ou ele pula do barco e o povo o massacra como quem não quis ajudar! Ou ele pega a bucha que não dará para resolver... Pois eh impossível arranjar seis milhões para suprir as necessidades básicas...E o povo cai matando por ele não conseguir suprir TD necessidade!”

INTERNET 2 – A dona da conversa no WhatsApp, Maria Madalena dos Santos, reconhece que o texto é dela, mas postado em outro contexto. Diz que apenas perguntou o por que ele tinha saído, obtendo como resposta a pergunta se havia gostado “da jogada de xadrez”. E completa com o comentário: “de td forma...ele perde as eleições e a confiança do povo!” E conclui dizendo que vai se “filiar a seu partido! Preciso dessa malícia! Excepcional!”

SEM DINHEIRO – Enquanto as terceirizações dos serviços de saúde se locupletam com o dinheiro do município os médicos estão sem receber há três meses; o laboratório de análises clínicas está sem receber há três meses e o Cresamu está sem receber há três meses. A terceirização leva no mínimo 20% dos custos dos serviços que deveriam ser prestados pela própria Prefeitura.