No Dia Mundial do AVC, população de Mogi é orientada sobre doença

Palestras, atividades físicas e exames movimentaram o público no Parque da Cidade num alerta sobre os perigos do Acidente Vascular Cerebral

Cidades Em 30/10/2019 19:25:09

por Assessoria de Imprensa CONDEMAT

Mogi das Cruzes sediou uma ação especial realizada nesta terça-feira (29/10) pelo CONDEMAT – Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê para lembrar o Dia Mundial do AVC. Promovido no Parque da Cidade, o encontro teve como objetivo alertar a população sobre os riscos do Acidente Vascular Cerebral, doença cardiovascular que mais mata pessoas na Região, depois do Infarto.

A iniciativa faz parte do Projeto AVC, desenvolvido em parceria com o Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, e teve várias atividades para conscientizar sobre a doença e estimular hábitos saudáveis. Além de palestras, o público de vários bairros da cidade praticaram exercícios físicos e também mediram os níveis de glicemia e pressão arterial, numa parceria com as Secretarias Municipais de Esportes e de Saúde e com a Universidade de Mogi das Cruzes (UMC).

“Hoje falaremos de prevenção e tratamento precoce do AVC, que não é uma doença que acontece por acaso. Existe uma série de fatores que levam ao AVC e que a população precisa ter ciência”, destacou o prefeito de Arujá, José Luiz Monteiro, que representou o Conselho de Prefeitos do CONDEMAT. “A orientação e a prevenção são muito importantes e nós só temos de agradecer por participar e aprender”, acrescentou o secretário municipal de Saúde de Mogi das Cruzes, Francisco Bezerra.

Em 2018, o AVC foi responsável por 2.011 internações e 361 óbitos nas cidades do Alto Tietê. As estatísticas mostram que 1 em 4 pessoas, em média, terá um AVC durante a vida. A doença é a principal causa de incapacidade neurológica em pacientes.

“A cada 6 segundos alguém morre por AVC no mundo e se trata de uma doença que não distingue suas vítimas. Estar atento aos fatores de risco e, principalmente, saber identificar os sintomas para que o socorro seja rápido são fundamentais para aumentar as chances de sobrevivência e minimizar as sequelas”, alerta o médico Gustavo Bittencourt, coordenador dos Setores Críticos do Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, que ministrou palestra no evento.

A meta do Projeto AVC é reduzir as estatísticas de mortes e também as sequelas pela doença. A iniciativa contempla etapas de treinamento de profissionais de saúde das redes municipais para um protocolo de atendimento e a conscientização da população. O objetivo com isso é possibilitar que as vítimas de AVC possam receber tratamento dentro das primeiras 4h30, o que aumenta as chances de sobrevivência e reduz os riscos de sequelas.

Um exemplo de sucesso do projeto é a aposentada Claudete Varela da Silva, 66 anos, acometida de AVC por duas vezes. A aplicação dos protocolos do projeto permitiu que a idosa superasse a doença e continuasse a trabalhar no escritório de advocacia. “Sou grata pelo atendimento que tive em Mogi. Hoje posso trabalhar, caminhar, gosto muito de dançar e não tenho problema algum”, afirmou.

Na próxima semana, o Projeto AVC será levado pelo CONDEMAT às cidades de Guararema (dia 5), onde os profissionais de saúde passarão por capacitação, e Salesópolis (dia 7), onde a população receberá orientações durante a tradicional feira que acontece na primeira quinta-feira do mês.