Moradores jogam cocô no asfalto

Imóveis localizados no Bairro Jd. das Acácias estão colocando a saúde das crianças em risco, o esgoto está correndo a céu aberto há meses

Cidades Em 20/09/2019 21:00:17

Na quinta-feira, dia 19/09, completou dois meses que a reportagem do Jornal Ouvidor esteve no Bairro Jd. das Acácias, em Santa Isabel, e registrou em vídeo transmitido ao vivo que os estudantes Emef Vereador Luiz Benedito convivem com o odor fétido de esgoto que, diuturnamente, transborda da galeria de águas pluviais.

A rede de captação da chuva possui uma boca de lobo na confluência entre a Estrada do Monte Negro e a Rua Maria de Lourdes Sae. Devido a um entupimento, essa boca de lobo transborda a imundice e danifica o asfalto, prejudicando além da saúde das pessoas e do meio ambiente, a circulação de veículos que, mesmo em dias ensolarados, ao passar pelo local sentem o asfalto craquelar e as rodas dos veículos tratam de espirr o esgoto para todos os lados.

Maurício Biazoto Rodrigues é morador do Bairro Recanto Alpina, ele registrou uma reclamação na Sabesp, outra na Ouvidoria da Prefeitura de Santa Isabel. “A Sabesp respondeu que no bairro do Jd. das Acácias não há rede de coleta de esgoto e que o problema está na rede pluvial, portanto de responsabilidade da Municipalidade”, conta.

Da reclamação aberta na Ouvidoria da Prefeitura sob o nº 4569/19, nº 1460028 e protocolo 9532814219 até o momento Maurício não obteve retorno. “O pior é que o esgoto continua escorrendo pela rua, seguindo pela valeta e caindo no ribeirão ao lado da fábrica de blocos”, diz.

Esgoto de banheiro

A Prefeitura de Santa Isabel já identificou que algumas casas do Bairro realmente fizeram a ligação clandestina de esgoto de banheiro na rede pluvial.

O secretário de Obras e Planejamento, Marquinhos Pelican, explica que efetuou no local uma grande busca para identificar quais são as casas do Jd. das Acácias que estão fazendo ligações de banheiro na rede pluvial de forma clandestina. “Já fizemos vários testes de corante tanto nas casas, como na escola”, diz.

Marquinhos destaca que o proprietário do pesqueiro, ao identificar que estava vindo esgoto pela a galeria de águas pluviais, ele mesmo procurou a secretaria de Obras para resolver a situação. “Fizemos algumas notificações e estamos dando apoio aos moradores para que façam as fossas e tirem a ligação clandestina da rede de água pluvial”, finalizou.

Até o momento não há confirmação de que qualquer pessoa tenha sido multada pela degradação a saúde pública, ao meio ambiente e a infraestrutura urbana.