Médico presta esclarecimentos à população

Dr. Orlando inaugurou o "Espaço de Participação Popular" para se defender do vereador Reinaldo Nunes

Cidades Saúde Política Em 22/02/2019 21:41:50

A Câmara Municipal de Santa Isabel recebeu na noite da última terça-feira (19/02), o Cirurgião Geral, Dr. Orlando Tavares Pinheiro, que fez uso da tribuna no “Espaço de Participação Popular”. Na ocasião, o profissional prestou esclarecimento a respeito das funções acumulativas como Diretor Clínico da Santa Casa, bem como da Unidade de Pronto Atendimento –UPA, do Município.

Em seu discurso, Dr. Orlando agradeceu as palavras dos parlamentares que o antecederam manifestando ao plenário, valorizando os profissionais que compõe o quadro de funcionários da Santa Casa de Misericórdia de Santa Isabel, bem como enaltecendo a própria Instituição.

Segue abaixo a íntegra do esclarecimento prestado pelo médico:

"Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Isabel.

Excelentíssimos Edis.

Público presente e internautas.

Considerando os recentes fatos ocorridos, que culminaram posteriormente com o envolvimento de meu nome e questionamentos quanto à legalidade de minha atuação, senti-me no dever de vir aqui a esta Augusta Casa e esclarecer não só aos Nobres Vereadores, mas principalmente à população isabelense, a verdade dos fatos.

Primeiramente, importante dizer que conto com mais de 17 anos de atuação como médico, e mais de 3 décadas dedicadas à área da saúde. Apenas pelo Sistema Único de Saúde, realizei mais de 1.500 cirurgias. Sempre me dediquei dentro das minhas forças e possibilidades para proporcionar à população desta cidade que tão bem me acolheu saúde e bem-estar, e tenho a felicidade de ter meu esforço reconhecido.

Efetivamente, no decorrer de minha jornada como médico, nunca me abstive de meus deveres, enumerados no Juramento de Hipócrates, o qual pronunciei em minha formatura e que, desde então, norteia minhas atitudes e escolhas. “Os deveres que o médico deve ter para com o professor e para com a profissão são: a integridade de vida, a assistência aos doentes e o desprezo pela sua própria pessoa”.

De fato, a vida de um médico consiste em colocar o bem estar e a vida de seu semelhante acima da sua própria. Quantas vezes deixei de estar com minha esposa e filhas, ou com amigos, para atender aqueles que precisavam de minha ajuda mediante meu ofício. Falo isso não só por mim, mas também por todos meus colegas que se dedicam à medicina e atividades correlatas. “A vida que professar será para benefício dos doentes e para o meu próprio bem, nunca para prejuízo deles ou com malévolos propósitos”.

Focando no cerne da questão que me trouxe a ocupar a tribuna desta Respeitável Casa de Leis, digo com tranquilidade que ocupar as diretorias clínicas da Santa Casa e da Unidade de Pronto Atendimento que por ela é administrada não padece de nenhuma ilegalidade ou imoralidade. Meus pares me escolheram por três vezes consecutivas em eleições limpas, abertas e transparentes, auditadas pelo Conselho Regional de Medicina que validou o escrutínio,exatamente por verem em mim os predicados necessários para o exercício da função. Não ocupo nenhuma das diretorias clínicas, portanto, por imposição ou qualquer meio que não o voto democrático.

No mais, previamente fiz consultas e verifiquei que o próprio Conselho Federal de Medicina, por força do art. 8º. de sua Resolução CFM nº. 2.147/2016, permite tal acumulação. Logo, inexiste ilegalidade ou impossibilidade para a acumulação das diretorias clínicas.

Quanto aos questionamentos quanto às minhas atividades de cunho particular, sob a velada presunção de que não haveria possibilidade de que me ative em meu consultório particular e cumpra adequadamente os compromissos decorrentes de minhas obrigações de Diretor Clínico da Santa Casa e da UPA, deixo claro que há plena compatibilidade entre ambas atividades, tanto que jamais houve qualquer interpelação, reclamação ou admoestação em sentido diverso.

Desde já esclareço: jamais tive seis vínculos de emprego, como maldosa e falsamente alardeado em redes sociais e com eco nesta Augusta Casa. A verdade viria à tona facilmente, caso eu fosse consultado e tivesse a oportunidade de apresentar a realidade dos fatos. Não foi o que ocorreu, preferindo-se propagar mentiras.

Importante dizer, ainda, que jamais ocupei qualquer cargo na gestão da saúde pública de Santa Isabel, tampouco cargos de confiança ou de livre nomeação pelo Poder Executivo. Minha responsabilidade, como Diretor Clínico, restringe-se a dar condições adequadas de trabalho aos meus colegas médicos, garantir o fornecimento de atendimento médico à população, e não me imiscuir em políticas públicas ou atos de gestão da saúde como um todo.

Faço tais esclarecimentos em especial para a população isabelense, que recebeu informações desencontradas e inverídicas de inúmeras fontes, inclusive em discursos proferidos nesta Casa de Leis. Mais a mais, evidente o interesse público em tais esclarecimentos, para que haja transparência e clareza no trato da coisa pública.

Coloco-me a disposição para quaisquer dúvidas, pois nada tenho a esconder. Tenho a tranquilidade decorrente de uma vida honesta e proba, e dedicada exclusivamente ao bem de meu semelhante.Obrigado e boa noite.”, finalizou.

Ao concluir a sua fala, Dr. Orlando foi aplaudido de pé pelos vereadores e por todo o público presente numa evidente demonstração de solidariedade e apreço pelo profissional.