Mais Médicos: Arujá recebe três profissionais cubanos

Cidades Saúde Política Em 01/11/2013 11:48:53

Três profissionais cubanos irão atuar na rede básica de saúde de Arujá a partir da próxima semana.  Eles foram recepcionados nesta sexta-feira (1º/11) pelo prefeito Abel Larini e pela secretária de Saúde, Clarinda Carneiro. Com os recém-chegados, vai para seis o número de profissionais enviados à cidade por meio do programa Mais Médicos, do governo federal.

Os profissionais Mabel Yanet Montero Lemes, Madelayne Basterrechea Lopez e Luis Roman Nueva Rodriguez serão encaminhados às Unidades Básicas de Saúde (UBS) do Parque Rodrigo Barreto, Mirante e Jardim Real. De acordo com a Secretaria de Saúde, a chegada dos novos médicos garantirá às UBS condições de iniciar o programa Saúde da Família.

Durante a recepção aos estrangeiros, o prefeito Abel Larini ressaltou que todos os que se dispuserem a trabalhar na rede de saúde local serão bem acolhidos pela cidade: “Fico contente por receber esses médicos, que estão aqui para somar, ajudar nosso município a melhorar. Estou otimista com sua chegada e muito feliz por conhecê-los. São pessoas muito comprometidas”.

Os três cubanos que atuarão em Arujá já trabalharam na Venezuela, Paquistão e Haiti, e dizem ter “solidariedade de sobra” para ajudar também os brasileiros. “Vim com o principal intuito de auxiliar a população de baixa renda. Ao ajudar o Brasil eu ajudo também o meu País”, diz Madelayne, médica há 11 anos.

Com 27 anos de experiência na área, Rodriguez confessa que, além de ajudar ao próximo, outra motivação para participar do programa é a chance de conhecer o Brasil: “Até então, só conhecemos pelas novelas. Queremos aprender mais sobre os brasileiros”. “Além disso, vamos conhecer patologias que não temos em nosso País”, completou Mabel, médica há 14 anos.

Segundo a secretária de Saúde, os profissionais estarão disponíveis por um período de 40 horas semanais nas unidades. “Teremos mais três médicos disponíveis o dia todo. Esta disponibilidade é excelente, proporciona maior interação entre médico e paciente e dá ao profissional a possibilidade de criar um vinculo maior com a população”, avalia Clarinda.

Ao todo, o município solicitou ao Ministério da Saúde treze médicos para suprir o déficit da rede.