Linda mulher

Ser mulher na melhor idade

Perfil Em 09/03/2018 11:11:23

Reportagem Érica Alcântara

Três vezes na semana, ginástica ao ar livre na Praça D. Fia, em Igaratá. Terça e quinta-feira alongamento no Clube. Pilates na segunda e quarta-feira e ensaio de coreografia para apresentações de dança. Trabalho voluntário em São Paulo, para cortar o cabelo de pessoas em situação de rua. Amar incondicionalmente três filhos de sangue, cinco de coração, um esposo apaixonado, sete cães, dois gatos e uma centena de vasos de flor e folhagem. 

“Ufa! Quando penso em tudo que faço, acho que sou nova para minha idade. Mas quando lembro de tudo que vivi, parece que são poucos anos de vida para tantos feitos”, conta sorridente, Linda Voltareli, que dentro de alguns dias completará 66 anos. 

Para cada filho que gerou e acolheu, Linda sabe de cor seus momentos mais marcantes, as primeiras conquistas e o livramento do olho da rua e da pobreza. “As pessoas querem adotar crianças envolvidas em papel celofane, meus filhos vieram pelas mãos de Deus e todos são pessoas de bem. Não foi fácil, mas não me arrependo”, conta.

A casa cheia nunca foi motivo para Linda não se cuidar, pelo contrário. Aprendeu com a mãe o valor de gostar de si mesma. “Somos nós quem fazemos o mundo, querer viver a vida com o máximo que ela pode nos oferecer em cada idade, com a experiência que vamos adquirindo é o que eu faço, sempre com um batonzinho, é claro!”.

Ex-vereadora, membro da 1ª gestão do Conselho Tutelar, Linda conhece muito da cidade, das pessoas e suas fragilidades e com tamanha dedicação ao próximo tornou-se a musa inspiradora do poeta e escritor Geraldo M. S. Almeida. “O poema que melhor define a Linda é está no meu livro”, revela o esposo. (No site do Jornal Ouvidor você confere o poema na íntegra).

“Ser mulher na melhor idade é como em todas as demais, temos de nos valorizar, exigir nossos direitos e lutar pelas causas que acreditamos”, finaliza Linda.