Judiaram do peru

Mulher discute na feira para tirar o peru do sol. Feirantes contestam e suspeitam que ela estivesse embriagada

Cidades Em 21/12/2018 17:27:52

Na última terça-feira, 18/12, a Polícia Militar de Santa Isabel foi acionada para apartar um desentendimento na Feira de Animais. Maria Sônia de Andrade diz que testemunhou dois perus em agonia: “Um deles estava preso num saco e o outro na gaiola debaixo de um sol forte, quando me dei conta que deveria fotografar para registrar os maus-tratos, acabei sendo agredida pelos feirantes”, diz a mulher mostrando a canela arranhada.

Os feirantes contestam, dizem que a mulher chegou na feira fotografando as pessoas sem pedir autorização de uso de imagem. “Ela parecia um pouco bêbada e procurava confusão”, diz Isabel Gomes, que está há mais de 20 anos na feira, acrescentando: “Essa área que estamos é particular, não é pública. Cada feirante paga R$10,00 para expor aqui e nós só queremos trabalhar”, destaca.

Isabel garante que não tem maus-tratos, conta que seus bichos ficam em gaiolas cobertas por uma folha de madeirite, com água e comida disponíveis.

O que diz a Prefeitura

O Secretário de Meio Ambiente Dario Neto esclarece que a realização da feira de animais em terreno particular, não isenta os feirantes da fiscalização. “Os cuidados com a Saúde e o Meio Ambiente continuam”, diz. 

Neto conta que os fiscais estiveram no local e verificaram que alguns animais estavam em gaiolas de ferro sob um sol escaldante. “A nossa proposta é formar uma comissão em 2019 que estabelecerá regras como: precisam colocar uma barraca para oferecer sombra, garantir água e ração e manter menos animais por gaiola. Além disso, a área por questões sanitárias deve ser limpa no final da feira. Se todos se adequarem não haverá necessidade de suspender a tradicional feira de animais”, diz.

Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura de Santa Isabel, na última semana a Prefeitura recebeu denúncia sobre a feira livre e passou a analisar a legalidade da ação, um dos feirantes compareceu a secretaria e alegou que estão enfrentando perseguições e pretendem parar.

"Em conversa com o feirante, identificamos os maus tratos aos animais, por exemplo, não recebem alimentação e água durante a realização da feira, sendo assim, a Prefeitura já está tomando as devidas providências junto ao setor jurídico para resolver a situação.", informa.