Jovens transmitem os ensinamentos da JMJ

Jovens de Igaratá e Santa Isabel falam das experiências adquiridas na JMJ, definem com suas palavras quem é o Papa Francisco e já estudam a possibilidade de participarem da próxima JMJ na Polônia

Cidades Cultura Em 02/08/2013 11:58:47

Reportagem: Bruno Martins e Maíne Ferreira

 

Uma semana inteira de fé, milagre e devoção, o mundo inteiro parou para contemplar a visita do Papa Francisco ao Brasil que deu início a Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro e a praia de Copacabana foi o palco das grandes atrações, que reuniu jovens do mundo inteiro inclusive igarataenses e isabelenses que se dizem esperançosos e não medirão esforços, para prestigiarem a próxima JMJ que será na Polônia.

Karen Silva, 23, que faz parte do grupo de jovens da Paróquia Santa Isabel foi para o Rio de Janeiro com mais 100 jovens isabelenses na sexta-feira, 26, e divide a emoção de ter conseguido chegar perto do Papa: “ele é uma pessoa muito amável, por suas atitudes, que mostram sua simplicidade e humildade, com certeza ele irá renovar a igreja católica pelo mundo, pois já atrai a admiração de muitas pessoas independente da religião”, disse.

Para Karen a frase que o Papa disse assim que chegou na JMJ: “Não trago ouro nem prata, mas trago o que de mais precioso me foi dado, Jesus Cristo”, foi o que a marcou muito: “mesmo sem nada para oferecer, ele conseguiu atrair uma multidão de pessoas, que estavam ali pela fé e não por nenhum bem que se possa comprar ou pagar”.

O fato de ter que conviver com pessoas de outros países não foi um grande empecilho para os jovens de Santa Isabel: “estávamos ali pela mesma razão, portanto mesmo não falando o mesmo idioma nos entendíamos”, disse Karen. 

O grupo de jovens de Igaratá que foi à JMJ retornou no domingo após a missa do Papa Francisco. Acompanhados pelo pároco Pe. Fábio Ferreira os fiéis puderam ver a chegada do Papa e as celebrações: “Teve um dia que nós vimos o Papa a uns três metros de distância, ele passou muito rápido, mas mesmo assim foi muito emocionante e especial”, disse Maynara Ferreira.

Mesmo diante do cansaço, os jovens cantaram, louvaram, participaram de diversas atividades ao longo da semana e afirmam que o evento ficará marcado como algo especial: “A maior lição que tiramos desta Jornada é ter amor, solidariedade e a compreensão ao próximo”, afirma a jovem Keity Romão.

Os jovens que participaram da JMJ ressaltam que o maior desejo agora é ir para a Polônia em 2016 participar da próxima Jornada.