Jovens empreendedores

O conceito de empreender mudou e se ter um negócio próprio requer responsabilidade, dois jovens de Santa Isabel parecem ter isso de sobra. Para o dia do trabalho conheça a história de Lucas e Nicole

Economia & Negócios Cidades Perfil Em 28/04/2017 18:56:32

Reportagem: Bruno Martins

 

Comprar um carro e/ou apartamento, concluir a faculdade, especializar-se numa área promissora e ter um emprego dos sonhos este é o caminho do sucesso para muitos jovens que estão ingressando a vida adulta, em Santa Isabel dois deles vão mais além e pensam fora da caixinha. Com 16 e 18 anos eles já são donos dos próprios negócios e seja na música ou na moda estão provando que para empreender não tem idade.

A música que antes era só um hobby para Lucas Davi Laviano Villela, 18, transformou-se em profissão, há dois anos ele fundou o Instituto Musical ICOED. Do pai ele ganhou a casa, mas para transformar o espaço em escola de música teve que investir do próprio bolso: “Eu tinha 16 anos e disse para o meu pai quais eram os meus planos, como tínhamos este espaço vazio, ao completar 18 anos utilizei o dinheiro que guardei para comprar um carro na reforma da casa e na compra de instrumentos”, diz.  O capital inicial de Lucas para abrir sua escola foi de R$25 mil, dois anos e meio depois ele já triplicou o patrimônio. 

E foi através de pesquisas, estudos de público alvo, análise de concorrentes diretos e indiretos que Lucas aprendeu sozinho o caminho das pedras. Antes de abrir oficialmente o Instituto Musical, foi nas salas de aulas que ele encontrou uma forma de atrair os primeiros alunos: “Visitei oito escolas e sorteie uma bolsa de estudo gratuita em cada uma delas”, diz. 

No primeiro ano de negócio Lucas tinha dez alunos fixos, hoje já são mais 80: “Os primeiros oito meses eu não tive lucro nenhum, tudo o que vinha usava para pagar os dois professores que tínhamos e investir na compra de mais instrumentos e ampliação da escola”, recorda. Hoje o Instituto possui sete funcionários e quatro ambientes de aula, sendo um estúdio profissional que Lucas aluga para ensaios de grupos de pagode, bandas de rock e cantores da cidade e região.  

Com a mesma idade que Lucas começou a empreender, hoje Nicole Marcondes, 16, administra a loja “Bless Semi jóias e acessórios”. A marca Bless foi criada pela mãe, Marina Marcondes que há dois meses resolveu expandir o ramo de vestuário e além de roupas partiu também para os acessórios femininos.

Nicole ainda cursa o 3º ano do ensino médio, trabalhando de manhã e estudando à noite, o ramo da moda ainda não há fez desistir de cursar engenharia: “Essa é uma vontade antiga que pretendo realizar, mas gosto do que tenho feito atualmente. A loja me coloca não só em contato direto com clientes, mas também com revendedores, como minha mãe fica mais na loja de roupas eu a ajudo na compra e escolha das peças e isso tem me permitido adquirir mais responsabilidades”, diz.

Pensando como sócia e sonhando como gente grande, Nicole revela que um dos seus maiores desejos é junto com a mãe fazer a marca Bless crescer e assim expandir as lojas para as cidades vizinhas. “Nós temos trabalhado muito para isso. Penso que independente do ramo de atuação, se fazemos o que gostamos devemos sempre correr atrás para melhorar ainda mais o serviço que prestamos aos nossos clientes”, diz. 

Na música ou na moda os jovens empreendedores de Santa Isabel tem um conselho para aqueles que desejam ser donos do próprio negócio: “É preciso fazer qualquer investimento com muita cautela, os gastos não podem ultrapassar o seu faturamento. É preciso ser persistente, plantar e cultivar, a colheita vai virá com o tempo”, finalizam.