Igaratá faz reunião pela Lei Específica

Projeto de Lei poderá restringir ainda mais o desenvolvimento da Bacia do Jaguari

Turismo & Natureza Política Cidades Em 18/11/2016 19:23:19

 

No próximo dia 1º de dezembro, às 9h, na Câmara de Igaratá, a Cobrape - Companhia Brasileira de Projetos e Empreendimentos apresentará o estudo que servirá de base para a redação da lei específica da Bacia Hidrográfica do Jaguari.

Lei específica é a coletânea de normas que devem ser atendidas por uma determinada região. Ela estabelece parâmetros para serem respeitados no uso do solo, na urbanização, na atenção aos recursos hídricos e ao meio ambiente. Há muitos anos as cidades de Guarulhos, Arujá, Santa Isabel, Monteiro Lobato e Igaratá aguardam essa lei na expectativa dela aliviar as restrições impostas pelo código florestal e pela Lei de Proteção de Mananciais.

Segundo o engenheiro agrônomo Juarez Vasconcelos, secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Igaratá, o estudo que dará escopo à lei, foi elaborado a partir do levantamento e sistematização de dados existentes, que geraram um diagnóstico com a caracterização física, ambiental e socioeconômica do território. – A partir desse trabalho foi feita uma modelagem matemática para qualidade das águas e elaborada uma análise com definição de indicadores, metas, ações e programas capazes de contribuir para a elaboração de planos de desenvolvimento conjugado à proteção ambiental, explica o Engenheiro.

Juarez conta que a Cobrape realizou o levantamento dos dados e o diagnóstico de toda a área dos municípios apresentando suas características básicas e identificadas suas principais demandas. Esta etapa, já concluída, se encontra em processo de revisão pelas secretarias estadual de Recursos Hídricos e Secretaria de Meio Ambiente e por isso pode, ainda ser alterada.

- Até mesmo a modelagem matemática já está feita e atualmente, a partir das informações observadas, tanto no diagnóstico, como nos resultados de modelagem, se busca determinar as áreas de intervenção (zoneamento), as diretrizes e os programas e metas a serem estabelecidas para região, explica Juarez, destacando que esse é o momento em que a sociedade, em especial as pessoas que se interessam pelo desenvolvimento econômico da região compatível com a manutenção da qualidade ambiental se manifestem, indicando as demandas e dificuldades e até mesmo as expectativas que cada município possui a respeito dessa lei. - Este olhar de quem vive na região é importante, pois aliando a interpretação dos dados levantados no diagnóstico, as experiências que cada município, poderemos propor diretrizes programas e metas que sejam mais efetivos e eficazes afim de sanar o máximo possível os problemas enfrentados no território, conclui o Secretário de Meio Ambiente de Igaratá.

Na reunião que será realizada no dia 1º de dezembro os técnicos da Cobrape explicarão todo o estudo de modo detalhado com apresentação de mapas e gráficos, ouvindo a população. Contudo quem quiser se preparar para a reunião poderá ter todo o estudo realizado pela empresa através do link que ficará disponível na internet até amanhã, domingo, de modo a aperfeiçoar a reunião do dia primeiro. Anote o link: http:\\cloudsvr.cobrape.com.br\arquivos\66f61680-6a1c-4b71-9fc2-b28aebe96074_R3.4.4_Caracterizacao_Fisica,_Socioeconomica_e_Ambiental___Jaguari.pdf

 

Notícias Relacionadas