Hoje e Amanhã

por Roberto Drumond

Crônicas Em 10/01/2020 22:29:26

Existe uma expressão no meio jornalístico que hoje, muito mais do que antes, está repleta de verdade. Diz que não existe nada mais velho do que jornal de hoje. Antes referíamos aos fatos narrados que haviam acontecido no dia anterior.  Hoje, graças à tecnologia, podemos afirmar que nenhuma notícia é nova, uma vez que acabou de acontecer diante dos olhos de testemunhas cuja narrativa ganha a liberdade de percorrer o mundo em várias versões.

 Essa realidade implica na constatação de que, para aqueles que como eu aprenderam o jornalismo nos tipos de chumbo, é necessária uma completa revisão de conceitos e atitudes que exigem novos aprendizados e mudanças na forma de trabalhar.

Ocorre-me uma regra da aviação. Aquela que nenhum piloto deve permanecer muito tempo no comando de um mesmo tipo de aeronave, pois corre o risco de se acomodar e perder a noção do perigo de voar. Percebo que isso também ocorre na profissão que abracei há 47 anos. 

Como anunciei nessa coluna na última edição do ano passado, profundas mudanças serão implementadas nesse ano de 2020 quando o nosso jornal celebra 30 anos de existência. Basta analisar os indicadores de nossas redes sociais para perceber que a mudança é necessária: possuímos novos e numerosos leitores nas nossas mídias sociais.

Isso não significa que vamos abandonar a versão impressa; respeitamos todos aqueles que, como nós, gostam de sentir o peso do papel a emoção produzida pelo folhear das páginas.  Vamos simplesmente ampliar nossas redes digitais dando-lhe mais celeridade e interatividade seguindo a tendência de todas as empresas jornalísticas do mundo. 

Para a execução desse projeto é necessário mudanças internas na empresa que começamos a executar nessa primeira edição do ano. Estou deixando a tarefa de produção de conteúdo mais para a nossa filósofa, escritora, poeta e jornalista Érica Alcântara que nos últimos onze anos trilhou comigo todas as edições desse jornal. Passo a dedicar-me à empresa:  fortalecê-la e aproveitar para aprender mais sobre as possibilidades que as novas tecnologias oferecem para nossa profissão. Vou dedicar também a perseguir alguns sonhos que fui obrigado a postergar em virtude dos compromissos como diretor de redação, papel que continuo a exercer de modo mais leve.

Tenho certeza absoluta que essa decisão amadurecida ao longo dos últimos meses trará mais qualidade e mais jornalismo a nossa marca. O futuro continuará sendo sempre o nosso desafio pois o presente acabou de passar.