Governo do Estado inicia obras de interligação entre as represas Jaguari e Atibainha

Intervenções ampliarão vazão de água para toda a Região Metropolitana de São Paulo; previsão é de que a obra, orçada em R$ 555 milhões, termine no primeiro semestre de 2017

Construção & CIA Cidades Em 17/02/2016 16:22:30

Fonte: Assessoria de Imprensa Prefeitura de Santa Isabel

 

Tiveram início nesta terça-feira, 16/02, as obras de interligação entre as represas Jaguari (bacia do Paraíba do Sul) e Atibainha (Sistema Cantareira). O prefeito de Santa Isabel, Pe. Gabriel Bina, participou da cerimônia, juntamente com o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin; o secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Benedito Braga; e o presidente da Sabesp, Jerson Kelman.

O empreendimento vai permitir a transferência de uma vazão média de 5,13 m³/s (máxima de 8,5 m³/s) de água da Jaguari para a Atibainha, garantindo maior segurança hídrica para o abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo.

Com custo de R$ 555 milhões e previsão de entrega no primeiro semestre de 2017, as obras serão realizadas por consórcio constituído pelas empresas Serveng/Civilsan, Engeform e PB Construções Ltda. Serão mais de 9,5 milhões de pessoas beneficiadas diretamente na Grande São Paulo e cerca de 5,3 mil empregos diretos e indiretos gerados.

Para o prefeito, Pe. Gabriel, a obra terá uma importância a mais para Santa Isabel: “Vamos receber impostos desta obra que chegará a custar R$ 555 milhões aos cofres públicos e Santa Isabel vai receber parte disso em impostos, então será uma receita importante a ser investida em nosso município”, explica.

Futuramente, a transferência de água poderá funcionar também no sentido inverso (da represa Atibainha para a Jaguari), otimizando a capacidade de reserva dos dois reservatórios, uma ajuda mútua entre importantes sistemas de abastecimento de água, que beneficiará também a população do Vale do Paraíba. A previsão para conclusão desta segunda fase é até outubro de 2018.

 

Obra

O transporte da água captada entre as represas será realizado por adutora de 13,4 km de extensão e um túnel de cerca de 6,2 km. O sistema será composto, ainda, por estação elevatória e subestação elétrica. A obra tem financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Previsto no Plano Diretor de Aproveitamento de Recursos Hídricos para a Macrometrópole Paulista, que lista as ações necessárias para evitar a escassez de água nas próximas décadas, esta obra é considerada estratégica e prioritária para aumentar os níveis de segurança do Sistema Cantareira e diminuir os efeitos da pior seca já registrada.

"Nós estamos iniciando uma obra histórica, uma obra estratégica e um grande exemplo de cooperação federativa, porque o rio Paraíba do Sul é um rio federal, envolve três estados. Então, nós fizemos um acordo e a obra foi autorizada, uma das grandes obras de saneamento do país," explicou o governador.