Funcionários prometem acionar o MP por direito a vacinação

17 funcionários da Santa Casa voltaram na manhã de quinta-feira, 18/02, a cobrar explicações da Secretaria de Saúde sobre quando terão o direito à vacina

Saúde Em 20/02/2021 01:01:41

Por Bruno Martins

Uma semana após reivindicarem o direito pela vacinação contra a Covid-19, os funcionários do setor administrativo da Santa Casa de Misericórdia de Santa Isabel foram mais uma vez até a secretaria de Saúde. Os colaboradores prometem recorrer ao Ministério Público, se necessário, para garantirem a imunização. Prefeito e secretários participaram da reunião.

Desta vez, os colaboradores foram recebidos pela secretária da Pasta Rosa Ravazzi, o Prefeito Dr. Carlos Chinchilla, mais o Chefe de Gabinete Leonardo Freire que chegou a dizer que se sentia ameaçado pelos trabalhadores da saúde.

Segundo os profissionais, o Prefeito passou grande parte da reunião discorrendo sobre as falhas que ele identifica na direção do hospital. “Mas não estamos aqui para defender um ou outro gestor, cada um de nós está aqui somente porque sabe que tem direito à vacina, mas ainda não foi contemplado”, ressaltou uma funcionária.

A secretaria de Saúde aparentemente se comprometeu vacinar estes trabalhadores na quarta-feira de cinzas, mas na quinta informou que não há doses suficientes no município.

O Prefeito confessou que ficou chateado com a manifestação da equipe do setor administrativo da Santa Casa. “Fui consultar um epidemiologista para saber se podemos vacinar este grupo e ele disse que não”, contou Chinchilla aos profissionais que, imediatamente, o questionaram: “Então, por qual motivo o setor administrativo da secretaria de saúde foi vacinado?”.

Nomes daqueles que comemoraram sua imunização nas redes sociais foram citados, mas os colegas contam que foram apenas uma referência de que a relação de prioridade estabelecida em Santa Isabel é questionável. Enquanto isso, a lista com o nome dos imunizados segue em absoluto sigilo, mesmo depois dos profissionais afirmarem que necessitam de transparência, querem apenas saber o nome e a função que os vacinados ocupam na saúde pública. 

“Ninguém aqui precisa ver documentos e dados pessoais das pessoas vacinadas, mas não é justo vacinar um professor de educação física e deixar de fora quem atua na recepção das famílias enlutadas e cuida para que os médicos e enfermeiros recebam o aporte necessário para atuarem em seus ofícios”, disseram.

Leonardo Freire contestou os argumentos dos profissionais de saúde, disse que não é para olhar para o passado, “esquece”, repetia, “devemos agora olhar para o futuro em que vocês serão vacinados”.

Ao final, ficou-se acertado que os profissionais da saúde devem ser vacinados com a chegada do próximo lote de doses, no dia 23. “Caso não cumpram este compromisso, vamos solicitar a intervenção do Ministério Público para garantir nosso direito. Não se trata de ameaçar alguém, mas garantir o que é certo e justo”, disseram. 

O Ministério da Saúde determina que nos grupos prioritários estão todos os profissionais que atuam em espaços e estabelecimentos de assistência e vigilância a saúde, sejam eles hospitais, clínicas, ambulatórios, laboratórios e outros locais. Não há distinção de setor administrativo e financeiro do hospital, em relação ao enfermeiro ou médico.

TCE-SP quer lista de vacinados 

O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP) notificou diversos municípios paulistas, entre eles, Santa Isabel. O órgão pede informações sobre os meios adotados para divulgar a campanha de vacinação; os critérios utilizados na distribuição das doses nos hospitais e unidades de saúde; as medidas preventivas de impedir os desvios; os métodos de controle dos que já foram vacinados; as medidas a serem adotadas em caso de descumprimento das orientações do Estado.

Além disso, O Tribunal questiona se a prefeitura está divulgando a relação dos cidadãos vacinados em seu site, nos moldes determinados pelas Leis de Transparência e Acesso à Informação, e salienta que aguarda junto da resposta a lista com os nomes, idades, ocupação e local de imunização daqueles que foram vacinados.