Falta seringas na saúde

Desde outubro do ano passado a família do casal Francisca N. Barreto e Francisco C. de Lima sofre com a falta de seringas para insulina

Saúde Em 12/04/2019 22:06:42

Por Érica Alcântara

Desde outubro do ano passado a família do casal Francisca N. Barreto e Francisco C. de Lima sofre com a falta de seringas para insulina. Com 68 anos de idade, o aposentado Francisco além de diabético convive com as sequelas de um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e necessita da ajuda da esposa para as necessidades básicas do dia-a-dia, inclusive a tarefa de lutar pelos seus direitos à saúde e a qualidade vida. 

“Todo mês é o mesmo sofrimento, falta seringa na UBS I – Prefeito IlárioDassiê, no Brotas e eu tenho que ligar na ouvidoria ou passar na prefeitura, para ser encaminhada para a secretaria de Saúde e lá receber às vezes 1/3 da quantidade de seringas que ele necessita em um mês”, descreve Francisca.

Diariamente, Francisco precisa de duas doses de insulina. Na farmácia, a Esposa compra cada seringa por aproximadamente R$3,50, se arcasse com todo o custo seria R$210,00/mês. “A gente aperta o orçamento de casa e tenta se virar como pode, mas a vida de aposentado já não é de luxo e tem mês que nem sinvastatina e cloro de higienização nós encontramos no posto de saúde”, diz.

Herança da gestão passada

Na primeira edição de março, o Jornal Ouvidor publicou uma reportagem sobre a falta de medicamentos nos Postos de Saúde, onde se acumulam reclamações sobre a falta de remédios de responsabilidade da Medic Pharma fornecer.

A terceirização das farmácias dos postos de saúde ocorreu durante a gestão do ex-secretário Cleber Kerchner em junho de 2018, por R$3,8 milhões/ano. Na ocasião, até o Conselho de Saúde foi surpreendido com a decisão, pois nunca foi consultado sobre a contratação. “E o custo com medicamentos aumentou e muito”, disse Fabiana Souza, presidente do conselho de saúde na reunião do dia 28/02.

Em janeiro de 2019, já na gestão de Estela Santana, a secretaria de Saúde alterou o contrato com a MedicPharm reduzindo a prestação de serviços de Recursos Humanos, Motoristas e um sistema de tecnologia da informação, a somente o fornecimento de medicamentos. A estimativa inicial era de redução de um milhão de reais neste contrato.

“Responsável é a chefe do executivo”, diz vereador

“Quem assina o contrato é a Prefeita Fábia Porto”, explica Kerchner. O vereador Clebão do Posto diz que a decisão de contratar uma empresa especializada em gestão e controle da farmácia foi da Chefe do Executivo, Fábia Porto. 

“Nós então realizamos a licitação e a MedicPharm venceu o certame. Agora, se a empresa não atende os pré-requisitos do contrato, cabe a comissão de saúde notificar, multar ou rescindir a contratação. O intuito era gerar economia e facilitar o atendimento, se isso não ocorre há medidas legais para suspender o serviço”, explica Clebão.

O Parlamentar esclarece ainda que a terceirização da farmácia não dependia de deliberação do Conselho de Saúde, mesmo assim, a empresa se apresentou aos conselheiros. “E o custo dos medicamentos era o valor de mercado”, finaliza.

O que diz a Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde informa que o consumo médio mensal é de 12mil seringas. No dia 07/02, a secretaria fez uma aquisição emergencial de 38 mil unidades de seringas de insulina. 

“A aquisição emergencial se deu devido aos trâmites necessários para licitação do insumo estar em andamento, suprindo a necessidade até o término do certame. Lamentamos o ocorrido com a família deste paciente e, além de verificar a denúncia, solicitamos imediatamente a reposição do insumo na UBS I”, diz a secretária de Saúde Estela Santana.

Conselho Municipal do Idoso

A luta em defesa dos direitos do idoso tem como frente de representação em Santa Isabel o Conselho Municipal dos Direitos do Idoso, cuja sede está localizada na Rua Dirce Machado de Souza, no 500, ao lado do Posto de Saúde do Jd. Eldorado.

“Em caso de reclamação ou denúncias sobre maus tratos, ou qualquer outro impedimento ligar para o CMDI no telefone (11) 4680-1300, ou então para a promoção social”, diz o presidente do conselho, Orlando Paixão.