Essencial para o lazer, falta de energia afeta o Turismo

Prejuízo da Estância Solazer pode chegar a 300 mil reais e perda de clientes

Cidades Em 21/12/2018 17:30:10

A mais antiga área de lazer da região, o Clube Solazer Estância Recreativa de Santa Isabel postou em suas redes sociais um extenso relatório denunciando os prejuízos causados pela falta de energia elétrica em suas instalações em vários dias dos últimos dois meses.  No entender da empresa, a Elektro como concessionária do serviço é responsável pelos problemas e se mostra disposta, inclusive, a recorrer à Justiça com o objetivo de se ressarcir dos danos e prejuízos.

Segundo o documento, ocorreram no período quatro falhas no abastecimento de energia totalizando 50 horas de paralização dos equipamentos de lazer e do próprio hotel que funciona nas dependências do Clube.

O empresário Antonio Fabrete conta que no dia 18/11 todas as unidades do hotel estavam reservadas para 82 hospedes, mais de 3.000 pessoas desfrutavam do Parque Aquático, além de um evento empresarial para 100 pessoas no momento em que houve corte de energia. – Nesse dia foram três horas, tempo bastante para que muitos hóspedes saíssem antes do término da diária, a maioria insatisfeita com o serviço prestado, pois não conseguiram tomar banho, assistir televisão e se utilizar dos recursos de lazer do Parque Aquático. Fabrete ressalta que o próprio Parque, com seu conjunto de piscinas, funcionou parcialmente sem suas principais atrações, o toboágua e o balde maluco, dependentes, como o próprio sistema de filtragem, da energia elétrica.

Além do problema operacional, enormes filas foram formadas na área de atendimento aos associados e visitantes para a liberação do acesso ao Parque Aquático. Usualmente feita por processo eletrônico nesse dia teve de ser substituída pelo controle manual, tornando o processo mais demorado.

O mesmo problema voltou a ocorrer no dia 24 e 25 de novembro quando a falta de energia durou 12 horas. - Nesse dia, conta Fabrete, a energia caiu por volta das 21 horas e retornou no dia seguinte, às 15 horas. Embora implorássemos para a Elektro nos atender, pois tínhamos mais de 150 pessoas reunidas no Clube em um evento, nada aconteceu!

Fabrete aponta problemas correlatos que aconteceram nesse dia, como a perda de medicamentos que deveriam ser mantidos sob refrigeração. – Tínhamos grupos da terceira idade hospedados, não foi possível realizar encontros com música, nem a utilização de alto falantes no salão de convenções. Dificilmente seremos escolhidos novamente pelos organizadores desses eventos em razão dessa falha, observa o Empresário.

Nos dias 29 e 30 de novembro os prejudicados foram estudantes, crianças na faixa de cinco a dez anos de idade que ficaram sem desfrutar dos aparelhos do Parque Aquático. Foram 18 horas sem energia e o prejuízo chegou à cozinha: 50 caixas de sorvete perdidas, era a sobremesa. – Perdemos, nesse dia também, as hortaliças, verduras e legumes do almoço submetendo-nos ao vexame de apresentar um cardápio diferente do prometido no contrato de atendimento da excursão.

Em dezembro, no dia 14, o problema durou 17 horas: - Havia mais de mil pessoas no Parque Aquático quando, por volta das 16 horas faltou energia. No hotel estavam hospedadas 120 pessoas. Em nossa reclamação para a Elektro foi-nos informado que o serviço seria restabelecido às 22 horas, mas retornou apenas às 9 horas do dia seguinte, conta Antonio Fabrete.

- Na manhã do sábado, dia 15, havia 4.000 pessoas querendo desfrutar do Parque Aquático e, novamente não puderam usar a estrutura oferecida em consequência do descaso por parte da concessionária da distribuição da energia elétrica. Foram 17 horas sem energia, pontua.

Fabrete estima que mais da metade das pessoas que passaram por essas experiências não retornarão nos próximos anos: - Elas pagaram ingressos, tiveram expectativa em função de nossas propagandas e acabaram frustradas. O empresário acrescenta que no dia 30 de novembro esteve na agência de Santa Isabel para saber quais providencias estavam tomando para evitar a repetição dos problemas. Para sua decepção, sentiu que a concessionária não se importa com os danos causados aos usuários pela falta de energia. Ele observa que sua empresa atua em Santa Isabel há mais de 40 anos, gera emprego e renda para parte da população e fomenta a economia local estimulando turistas a visitarem a cidade. – Estamos vulneráveis às frequentes quedas de energia por omissão da concessionária e sequer recebemos explicações para o que acontece. Fabrete estima o seu prejuízo em R$300.000,00 além de danos morais.

O que diz a Elektro

O OUVIDOR encaminhou as reclamações do empresário Antonio Fabrete para a Assessoria de Imprensa da Elektro, obtendo as seguintes explicações: No dia 18 de novembro houve um desligamento programado para realização de manutenção preventiva da rede, como é de praxe a empresa comunicou antecipadamente. Nos demais dias ocorreram diversos desligamentos acidentais provocados por vegetação lançada sobre a rede. 

Segundo a Assessoria novembro teve dias críticos, com elevada quantidade de eventos acidentais devido a condições climáticas severas ocorridas na região, prejudicando inclusive o tempo de atendimento.

A empresa assegura que orienta os proprietários das áreas por onde passam as redes de energia para os riscos envolvidos no contato da vegetação com a rede elétrica através de notificações extrajudiciais e apoio para remover o trecho da vegetação que já está em contato com a fiação, minimizando os riscos de interrupção ao fornecimento de energia em decorrência da queda de galhos e árvores sobre a rede de distribuição.

Apesar da reincidência de eventos nos últimos meses, a Elektro mantém os indicadores individuais da unidade dentro dos padrões regulatórios definidos pela ANEEL (Agencia Nacional de Energia Elétrica) e trabalha que esses indicadores sejam os melhores possíveis. A Assessoria recomenda que o cliente providencie um gerador para seu estabelecimento pois, conforme definido no contrato de concessão, o fornecimento de energia elétrica tem caráter continuo, mas podem ocorrer interrupções.