Empresários se comprometem a doar área para construção do Corredor Metropolitano

Cidades Em 18/04/2013 16:06:13

Proprietários de imóveis situados na marginal direita do córrego Caputera (no sentido Arujá-Itaquá) se comprometeram a doar uma faixa de 30 metros de suas áreas para a construção do Corredor Metropolitano de Ônibus (obra estadual que ligará Itaquaquecetuba, Ferraz de Vasconcelos, Arujá e Poá à Capital). Na noite da última terça-feira (16/04), parte dos empresários assinou uma ata formalizando seu interesse em realizar a doação.

Com a contrapartida por parte dos empresários, a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) passa a ter condições ainda mais favoráveis para realizar uma alteração no traçado da obra, a fim de evitar prejuízo aos comércios e futuros empreendimentos que seriam desapropriados (segundo consta no projeto inicial do Corredor Metropolitano).

A alteração que vem sendo estudada pela Prefeitura, e que inclusive é uma sugestão apresentada pelo prefeito Abel Larini, é de que o Corredor Metropolitano seja construído na marginal direita do Caputera, ladeando a Avenida Ângelo Anunciato. Dessa forma a SP-56 passaria a ser utilizada exclusivamente por quem sai de Itaquá com destino a Arujá.

“A ideia é deslocar o corredor para aquele trecho que margeia a SP 56, a partir da Avenida Benedito Manoel, evitando assim a desapropriação de ao menos 14 empreendimentos. Além de evitar o transtorno das desapropriações, estaremos valorizando aquela região, que é um importante vetor de desenvolvimento da cidade. Fora isso, poderemos garantir um suporte maior ao nosso projeto de levar a Ângelo Anunciato até Itaquá”, diz Larini.

O comerciante Wilson Segatti, que vem mobilizando empresários e autoridades para que o traçado seja alterado, é a favor da mudança proposta pelo prefeito: “Com a mudança, todos ganham. A cidade ganha o corredor, o Estado conclui o projeto, os proprietários doadores têm suas áreas valorizadas e aqueles que seriam desapropriados passam a ter um problema a menos. A alteração é do agrado de todos, com ela ninguém sai prejudicado”.

Expectativa

A empresária Maria da Graça, proprietária do Auto Posto Tibaji, assinou ata formalizando seu interesse em doar a faixa de 30 metros à EMTU. Para ela, a expectativa é de que o corredor garanta desenvolvimento à cidade e à sua região: “Vai ser muito bom se o traçado for alterado dessa forma. Todos vão se beneficiar”.

Eduardo Mendes e Fábio Formigone também se comprometeram a doar uma pequena parte de seus terrenos. “Acredito que o projeto trará benefícios para toda a comunidade, principalmente para os arredores do Caputera”, destacou Mendes. Formigone, por sua vez, ressaltou que os empresários estão confiantes de que a EMTU vai aceitar a proposta de mudança.

Mobilização

Além dos empresários, participaram de reunião para a assinatura das atas os secretários municipais de Obras, Juvenal Penteado, Planejamento, Flávio de Senço, Habitação, José Orlando da Silva, e Meio Ambiente, Ionara Fernandes, além do secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico e presidente da Associação Comercial, João Carlos Romão.

Os vereadores Gabriel dos Santos, Reynaldo Gregório e Júlio do Kaikan também estiveram à disposição dos proprietários no encontro. Na oportunidade, o prefeito Abel Larini informou que esteve nesta semana com o presidente da EMTU, Joaquim Lopes, e que ele já sinalizou ser favorável à alteração no traçado. “Apresentamos todas as vantagens da mudança e ele demonstrou todo interesse em nos atender”, disse Larini.