Dia Internacional da Mulher

por Ednilson Toledo

Crônicas Em 08/03/2019 21:49:23

No dia 8 de março é comemorado o “Dia Internacional da Mulher”. Trata-se de uma data que remete às inúmeras lutas e manifestações organizadas por trabalhadoras de todo o mundo, que tinham como intuito reivindicar melhores condições de trabalho e uma maior equidade de gênero. Muita coisa mudou desde as primeiras manifestações – datadas ainda no século XIX. Porém, não há dúvidas de que temos muito ainda a melhorar. 

Nesse aspecto, alguns setores caminham no sentido de diminuir a desigualdade existente entre os gêneros. Em matéria publicada na Folha de São Paulo de 03 de março de 2019 (“Aumenta a participação de mulheres em cargos de chefia”), pode-se ler como algumas empresas estão buscando alternativas para possibilitar uma maior participação feminina em seus cargos de liderança e chefia; posições ocupadas majoritariamente por homens. A matéria traz alguns exemplos de empresas - como os bancos Itaú e Santander, além da IBM - que criaram políticas internas que visam uma maior equidade na ocupação de tais posições hierárquicas. Políticas como a exigência de ao menos uma mulher entre os candidatos em processos de vagas para chefia, além da presença de mulheres entre os selecionadores, e o estabelecimento de metas internas de participação de mulheres nos altos cargos da empresa.

Porém, se uma parte do setor corporativo apresenta – mesmo que pequenos, mas necessários – avanços no sentido de equiparar as condições de gênero, o setor político – outro universo predominantemente masculino – caminha na contramão neste quesito (assim como em tantos outros). A mesma edição do jornal apresenta outra matéria (“Candidaturas de laranjas levam Congresso a propor fim de cota para mulheres”) em que o Congresso Nacional propõe a extinção da cota feminina nas candidaturas partidárias. 

Isso porque, desde 2009, 30% das candidaturas registradas por um partido deve ser preenchida por mulheres. No entanto, um projeto apresentado pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA), pretende extinguir esse percentual mínimo de candidatas por partido. Atualmente, dos 81 membros que compõem o Senado apenas 12 são senadoras (15%). Entre os deputados, em um universo de 513 cadeiras, apenas 77 são ocupadas por mulheres (também 15%). Sendo que, segundo o último censo do IBGE de 2010, as mulheres representam 51% da população brasileira. Nesse sentido, é visível – e alarmante – a sub-representação feminina no Congresso Nacional.

Isso apenas demonstra como estamos longe da equidade de gênero desejada em vários setores do país. E é por isso que, mais do que um dia em que as mulheres recebem flores, o dia 8 de março deve ser compreendido como uma data de conscientização sobre: os direitos sociais e civis da mulher, o empoderamento feminino e as condições de atuação da mulher no atual contexto político-social. Uma verdadeira democracia só vigorará quando alcançarmos a equidade de gênero em todos os setores da sociedade.