Desmistificando o Coronavírus

Higiene e educação são prioridade no combate e na prevenção do coronavírus e diversas outras doenças

Saúde Em 31/01/2020 21:25:36

Por Érica Alcântara

Em entrevista transmitida ontem, dia 31/01, pelas redes sociais do Jornal Ouvidor, o médico Dr. Luis Paulo Silva, diretor clínico da Unidade de Pronto Atendimento – UPA de Santa Isabel, ao lado da secretária de Saúde, Estela Santana, esclareceu dúvidas sobre o coronavírus. Resumidamente, disse: “Toda enfermidade inspira cuidados, por isso já estabelecemos um protocolo de atendimento para, se eventualmente a doença chegar ao município, a cidade estar preparada, mas não há até o momento fundamentos para entrar em pânico”.

Na quarta-feira, 29/01, São José dos Campos e Mogi das Cruzes anunciaram cada uma das cidades, um caso suspeito de coronavírus. Em Mogi a secretaria de Saúde disse que “apesar de não ter o perfil clínico específico da doença, iria monitorar o caso, pois a paciente esteve recentemente na China, na cidade epicentro da doença, Wuhan”.

Na quinta-feira, São José dos Campos confirmou o segundo caso suspeito, um paciente com tosse, coriza e fraqueza que também esteve na China entre os dias 8 e 24 de janeiro.

“Os sintomas do coronavírus são os mesmos de uma gripe comum, por isso, os pacientes que estiveram recentemente em viagem à China são monitorados”, explica Dr. Luis. O período de incubação do vírus é de 10 a 15 dias, mas Dr. Luiz explica que ele é menos letal que o H1N1 (Influenza A), cujo risco é de 8% e o surto da SARs (Síndrome Respiratória Aguda Grave), de meados de 2002, que era de pouco mais de 10%.

Dr. Luis diz que as pessoas mais vulneráveis diante de qualquer nova enfermidade são aquelas que já têm algum fator de risco (idade avançada, AIDS, câncer etc). 

Segundo a Organização Mundial de Saúde - OMS, até ontem, dia 31/01/2020, enquanto o risco de morte pela SARs era de 10,9% (916 óbitos entre 8.422 pacientes infectados), no coronavírus o risco é de 2,2% (dos 9.720 casos confirmados, 213 vieram a óbito).

Santa Isabel está preparada?

De acordo com a Secretaria de Saúde, sim. A equipe médica criou um protocolo de atendimento e na semana que vem uma roda de conversa com os funcionários de todas as unidades de saúde será realizada para alinhar o diálogo com a comunidade.

Estela reitera que no Brasil ainda não há casos confirmados do coronavírus. “Notificação não é sentença, suspeita não é confirmação”, diz. Segundo a Secretária, oficialmente no Estado de São Paulo, foram registrados 09 casos de suspeita e a paciente de Mogi já está recebendo o tratamento em casa.

Onde e quando procurar ajuda

Caso o paciente apresente algum sintoma de resfriado associado com febre e fadiga, “a recomendação é que procure a unidade de saúde mais próxima de sua residência. Não é necessário ir direto para a UPA, pois os médicos e enfermeiros dos postos estão capacitados para identificar a gravidade do caso e, quando necessário, encaminhar para a urgência e emergência”, diz Estela.  A Secretária explica que a UPA deve ser procurada em casos em que os pacientes apresentem sintomas graves que necessitam de atendimento imediato.

Como prevenir os coronavírus?

Para redução do risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias, especialmente as de grande infectividade, como os coronavírus, são recomendadas medidas gerais de prevenção, como:

• Frequente lavagem e higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento.

• Utilizar lenço descartável para higiene nasal.

• Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir.

• Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca.

• Higienizar as mãos após tossir ou espirrar.

• Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.

• Manter os ambientes bem ventilados.

• Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de infecção respiratória.

Segundo o Ministério da Saúde, até o momento, não existe vacina para os coronavírus, nem tratamento específico. “A maioria das pessoas se recupera sozinha após alguns dias, com repouso e consumo de bastante água”, diz o Ministério da Saúde.