Comtur desiste do carnaval

Comerciantes poderão tomar iniciativas. Prefeitura vai fiscalizar e conter abusos

Cidades Em 14/02/2020 23:25:30

Através das redes sociais, o presidente do COMTUR (Conselho Municipal de Turismo) de Igaratá, Thiago Lima comunicou aos conselheiros e comerciantes interessados que foi suspenso todo o esforço para a realização dos festejos de carnaval.

Na última segunda-feira, 10/02, em reunião extraordinária do COMTUR, Thiago havia comunicado que ainda não obtivera os recursos necessários para a realização dos eventos previstos para começar no dia 21 de fevereiro, estimado em 35 mil reais. Na mesma ocasião o arquiteto Guilherme Arantes informou a necessidade de serem elaborados alguns projetos visando a obtenção do AVCB (Alvará de Vistoria do Corpo de Bombeiros), se dispondo a fazê-los afirmando que, devido à premência do tempo, precisava de uma definição rápida.

Como última alternativa, Thiago afirmou que entraria em contato com um empresário assegurando que mantinha a esperança de obter os recursos. Horas depois o Presidente do Comtur postou no grupo dos Conselheiros a mensagem agradecendo o apoio e lamentando a não conquista do dinheiro.

Para Thiago, depois que a Prefeitura comunicou a falta de verbas para a realização do evento, à frente do COMTUR ele se dispôs a buscar junto ao comércio local o dinheiro necessário para contratar uma empresa para o fornecimento de palco, iluminação, som, shows, gradís e segurança para os cinco dias do evento. Chegou até mesmo a contatar uma empresa disposta a, através da permissão para a instalação de food trucks, pagar uma parte dos custos. 

Aparentemente as contas seriam simples: contando com a presença diária de duas mil pessoas no recinto, estimando que cada uma gaste uma média de R$30,00 por dia, seriam R$300.000,00 injetados na economia da cidade. Contudo, a maioria dos comerciantes da cidade não aderiu ao rateio, deixando o projeto inviável.

Desde o início o prefeito Celso Palau assegurou que não havia nenhuma condição da Prefeitura investir no evento: - Diante da possibilidade de ter que deixar os servidores municipais sem salário por três meses, não vou gastar um tostão no carnaval! 

O secretário de Turismo, Benjamim de Lima ainda procurou outra empresa para investir no evento, mas bateu nas mesmas condições: a Prefeitura teria de participar com uma parte dos custos.

Na quinta-feira, 13/02, Palau determinou que a secretaria de Turismo e Desenvolvimento parasse de insistir na realização do Carnaval. Na opinião do Prefeito, o evento deve ser espontâneo e cada comerciante poderá adotar o que desejar visando aproveitar o momento. – Vamos solicitar a Polícia Militar o reforço ao policiamento e através de decreto estabelecer normas para evitar abusos, impedir a venda de bebidas em embalagens de vidro visando a segurança coletiva, impedir o comércio ilegal, administrar o trânsito e a limpeza da cidade e deixar a população livre. Isso tudo já representará uma despesa para o município que, sinceramente, preferia não ter. Temos de economizar os centavos para pagar os precatórios sem prejudicar os servidores municipais.