Cidades em estado de emergência

Igaratá, Arujá e Santa Isabel declararam nesta semana estado de emergência

Cidades Em 01/06/2018 18:04:19

A falta de abastecimento provocada pela greve dos caminhoneiros provocou mudanças drásticas nos serviços públicos. Próximo de acabar o combustível para abastecer carros de serviços essenciais, tais como: ambulância, transporte de alunos e coleta de lixo, cidades da região decretaram Estado de Emergência na segunda-feira, 28/05.

Das dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, somente três (Biritiba Mirim, Salesópolis e Suzano) não aderiram esta estratégia.  O Estado de Emergência é uma situação excepcional, declarada por decreto, que permite uma série de medidas extraordinárias, tais como: efetuar comprar sem procedimento licitatório, requisitar bens etc. 

Segundo o advogado e secretário de Assuntos Jurídicos de Arujá, Dr. Carlos Roberto Vissechi, o Estado de Emergência resguarda o município, como na escolta do combustível para os postos particulares realizada desde a noite de terça-feira. “Nada foi alterado na rotina da cidade em virtude do Decreto, tampouco houve a necessidade de contratos emergenciais”, explicou.

Diferente de Arujá e Igaratá, em Santa Isabel a prefeitura determinou neste mesmo decreto o ponto facultativo nos dias 29 e 30/05 e requisitou que toda gasolina que chegasse aos postos fosse reservada prioritariamente aos carros oficiais. Tanto que na manhã de quarta-feira, 30/05, a Prefeita Fábia Porto divulgou um vídeo esclarecendo quais postos estariam liberados para a livre comercialização do produto. “Nossa obrigação é garantir o atendimento de serviços básicos como ambulância, transporte para pessoas em tratamento de hemodiálise e nas ruas a coleta de lixo”, disse Fábia.

Em Igaratá e Arujá os serviços administrativos foram mantidos até quarta-feira, com a suspensão de alguns atendimentos, conforme reportagens em anexo nesta edição.

Até o fechamento desta edição, os decretos municipais continuavam em vigor.