Cidadão denúncia omissão de escrivã na Delegacia

Funcionária diz que Delegacia estava fechada porque estava sozinha e sob ameaça de uma pessoa

Segurança Pública Em 16/02/2013 13:02:36

 

Na quinta-feira (7/2), ao tentar registrar um boletim de ocorrência de extrema gravidade, o representante comercial Paulo Rogério Tucoser diz que encontrou a Delegacia de Polícia de Igaratá fechada.

Percebendo que havia um funcionário no setor de transito, foi até lá e explicou o que havia acontecido, momento em que a escrivã Beatriz Zorzi apareceu dizendo que iria fazer compras no supermercado próximo à DP. O Funcionário relatou que Paulo desejava fazer um boletim de ocorrência importante, provocando a reação da escrivã que voltou a afirmar que “estava indo fazer compras”.

Tucoser conta que esperou por cerca de 20 minutos até que a escrivã retornasse, colocasse as compras no carro e, em seguida entrasse novamente na Delegacia trancando a porta. Ao ser lembrada que havia um BO a ser lavrado, disse ao funcionário do trânsito que Paulo deveria retornar no dia seguinte porque “ela estava muito cansada e que estava trabalhando desde as cinco horas da manhã”.

Diante da indiferença da escrivã, Paulo Tucoser acionou a Polícia Militar através do telefone 190. Ao ser questionada pelos Policiais Militares, Beatriz afirmou que iria chamar o plantonista do dia, Maurício Adão, que finalmente lavrou o Boletim.

No registro do policial militar, Paulo fez anotar o descaso da escrivã e os horários que, segundo ele, estavam sendo desrespeitados pela funcionária da Delegacia que deveria atender ao público até as 19h, término do expediente, e era ainda 17h30.

Segundo Paulo, o depoimento dos policiais, do funcionário do trânsito e as imagens das câmeras de segurança da própria Delegacia de Polícia de Igaratá comprovam os fatos que ele fez questão de narrar ao Dr. Agustinho, delegado assistente do D. Inter 01 para quem a atitude da escrivã foge ao padrão com que o Estado tem ao lidar com o cidadão.

A escrivã Beatriz Zorzi reconhece que não atendeu a Paulo porque estava envolvida com outras ocorrências, inclusive com a recuperação da arma que foi furtada da Delegacia, desde a madrugada e que, realmente estava cansada e acrescenta que, atendendo a uma recomendação da Delegada, fechou a repartição para evitar o incômodo de uma pessoa que a ameaçava. Beatriz assegura que foi ela quem chamou o plantonista que compareceu à DP em menos de cinco minutos após ser chamado. Ela diz que Paulo insiste em prejudicá-la e que desconhece as razões pelas quais ele faz isso.