CARTA CIRCULAR A RESPEITO DO VIRUS COVID-19 OU CORONAVIRUS

ORIENTAÇÕES PASTORAIS

Crônicas Colunas & Opiniões Em 16/03/2020 09:09:58

Considerando que vários sacerdotes pediram orientações precisas a respeito das medidas profiláticas a adotar diante da eminência de uma grave epidemia, como vem sendo noticiado e afirmado pelas autoridades civis;

Ressaltando sempre que é às estruturas de saúde e às autoridades constituídas a quem compete fornecer as orientações de profilaxia e cuidados sanitários;

Resolvemos por bem, dirigir aos padres, diáconos, e demais agentes pastorais as recomendações a seguir:

a)      Tranquilizar os fiéis, de forma a evitar situações de pânico, mostrando-lhes que, não obstante o perigo efetivo que este vírus representa, não é comparável às terríveis pestes e pneumonias que já conhecemos na história da humanidade;

b)      Apelar à responsabilidade e prudência de cada pessoa para que evite comportamentos que possam pôr em risco a sua saúde ou a dos outros e ao respeito por todas as indicações das autoridades competentes;

c)      Lembrar a necessidade de cumprir as orientações de receber comunhão, preferencialmente, na mão, a omissão do gesto da paz e o de dar as mãos na oração do Pai Nosso.

d)     Restringir a atividade pastoral na diocese, paróquias e outras instituições, reduzindo as reuniões e evitando aglomerações de pessoas, especialmente aquelas que ultrapassarem o limite de 500 participantes;

e)      Onde for possível, ouvindo os pais e responsáveis, bem como os catequistas, se necessário, suspender temporariamente os encontros de Catequese com as crianças;

f)       Recomendar algumas precauções nas celebrações de funerais, tais como evitar grande afluência de pessoas ou gestos de risco;

g)      Manter as Igrejas abertas, ventiladas, limpas, disponibilizando álcool gel para assepsia dos fiéis e orientá-los a higienizar as mãos e adotar demais hábitos de higiene pessoal;

h)      Enquanto for possível, a Eucaristia continue sendo celebrada publicamente e até mesmo, dentro das possibilidades, ampliar o número de celebrações eucarísticas evitando assim grande afluxo de pessoas num mesmo horário;

i)        Orientar os idosos e enfermos a permanecerem em casa e assistirem às missas pelos meios de comunicação social uma vez que a estes, por razões pastorais, é concedida a dispensa da observância do preceito dominical;

j)        Garantir que os doentes recebam a devida atenção, assistência e conforto religioso por parte dos sacerdotes mediante a recepção do Sacramento da Unção dos Enfermos;

k)      Convidar todos os diocesanos à oração pelos doentes, pelos que estão infectados com este vírus ou padecem de outra doença, e ainda por todos os que já foram vitimados por esta pandemia.

Se necessário, em breve serão dadas novas orientações acerca das celebrações da Semana Santa e Páscoa que levarão em conta a evolução da situação. Apesar de toda gravidade, esta deve suscitar uma vivência quaresmal mais forte, com uma oração mais intensa e um jejum mais consciente. Esta provação nos ajude a uma autêntica conversão e a uma mudança de atitude perante a vida. Este tempo de incertezas e receios constitua também oportunidade para valorizar o essencial e renovar a nossa confiança em Jesus Cristo que na cruz assumiu os nossos males para nos abrir horizontes de esperança.

                                                                       Mogi das Cruzes, 16 de março de 2020.

Dom Pedro Luiz Stringhini

Bispo Diocesano