Carta aos ansiosos em tempos de Coronavírus

por Camila Britto

Crônicas Em 03/04/2020 23:17:55

O ansioso sofre de uma necessidade crônica de controlar tudo o que está a sua volta. Em algum momento de sua vida, ele perceberá que o controle é uma ilusão, e que algumas coisas simplesmente não estão em nossas mãos. Geralmente, é nessa hora que surge uma crise de ansiedade, uma sensação pesarosa de angústia, a impressão de que vai enlouquecer.

Em tempos de pandemia, é claro que esse medo de perder o controle fica ainda mais acentuado. O que fazer?

Guarde essa frase no coração como um mantra tranquilizador: você não tem controle, mas tem escolha.

Se agora você não pode se dar ao luxo de sair de casa para onde bem entender, aceite isso. Você deve simplesmente ficar em casa e ponto final.

Mas mesmo nesse contexto tão limitador e aparentemente sufocante, você pode respirar por alguns minutos se perceber que tem muitas escolhas a fazer.

E para começar, você pode se perguntar como pretende terminar essa quarentena. Com o sono em dia? Com muitas séries e filmes assistidos? Com alguns quilos a mais? Com uma relação melhor com sua família? Com um entendimento maior de si mesmo? Com os reparos de sua casa em dia? Com algum curso finalizado? Com momentos bons para se lembrar?

Todas essas escolhas são somente suas, e são elas que determinarão realmente se esse período será bom ou ruim.

Não há muito do que fugir. Nas aulas de yoga, o professor ensina que quando uma postura está muito difícil, podemos sorrir ao fazê-la, e principalmente continuar respirando profunda e conscientemente durante a prática dela.

E é disso que precisamos agora: respirar no desconforto, sorrir mesmo na dor, e usar o poder que todo ser humano possui de ressignificação. Quando se está no meio do furacão, fazer esse tipo de escolha não é nada fácil, mas é nessa decisão que moram nossa resistência e resiliência.

Resiliência não é só uma palavra bonita. Ela é uma potência que está dentro de cada um de nós, e você pode usá-la e transformar a forma de enxergar as situações. Você pode se orgulhar de ter escolhido ser melhor para você e para o mundo. Em alguns momentos, faça somente o possível, o que você conseguir. Não há motivo para se obrigar a uma positividade forçada, ou a uma tristeza sem fim.

E lembre-se sempre:

Você não tem controle, mas tem escolha.