Butterby prova falsificação de documento da Serracon

Elementos coletados comprovam má fé dos dirigentes da empresa

Política Em 23/08/2019 21:46:36

Com o objetivo de colocar um ponto final no debate que vem sendo travado entre ele e o vereador Reinaldo Nunes, o secretário de obras de Santa Isabel, Rodrigo Butterby recorreu à rede social do Jornal OUVIDOR para apresentar uma série de documentos que comprovam a ocorrência de supostas irregularidades nas denúncias formuladas pelo Vereador.

A principal peça apresentada pelo engenheiro Butterby é a conclusão de um exame grafotécnico realizado pelo perito judicial Orlando Garcia declarando que “as rubricas atribuídas a Rodrigo Butterby que figuram no Contrato de Prestação de Serviços Técnicos de Engenharia, são falsas”.

Essa comprovação levantou uma questão que, segundo conta Rodrigo que esteve na redação do OUVIDOR acompanhado de seu advogado, Dr. Luiz Fernando Prado de Miranda, a irregularidade nasce no processo de licitação ocorrido no município de São Lourenço da Serra, a 121 km de Santa Isabel, onde em fevereiro de 2018 foi realizada uma licitação visando obras de recuperação de uma rua.

Rodrigo conta que possui em seu acervo profissional vasta experiência em obras de pavimentação e que no ano de 2017 o diretor da empresa Serracon, Francisco Alves da Silva, que já prestava serviços na administração do Pe. Gabriel Bina, o procurou e revelou o interesse de prestar serviços de infraestrutura, que inclui pavimentações, mas que não possuía em seu acervo técnico nenhuma obra dessa natureza, o que o impedia de prestar esses serviços.

Na conversa Francisco propôs que Rodrigo cedesse o seu acervo técnico e que, por ocasião de qualquer trabalho dessa natureza, ele seria contratado como consultor, garantindo a realização do eventual contrato. Rodrigo separou alguns acervos das obras que havia realizado e os entregou ao Sr. Francisco.

Na manhã do dia 22 de fevereiro de 2018, a Prefeitura de São Lourenço da Serra realizou o pregão presencial 02/2018, visando a contenção e restauração da rua Antonio Despezio ao qual compareceu apenas o representante da empresa Serracon e apresentou, entre os documentos de sua empresa, um contrato supostamente celebrado com o engenheiro Rodrigo Butterby que atestava a qualificação técnica para a realização do trabalho avaliado em R$ 530.000,00.

Em março de 2018, o empresário Francisco Alves da Silva procurou insistentemente Rodrigo e solicitou que formalizassem o contrato combinado porque estava diante de uma oportunidade de negócio. Iludido em sua boa fé, Rodrigo assentiu e assinou o contrato que teve a sua firma reconhecida em um cartório de Santa Isabel e que foi utilizado nas denúncias do Vereador Reinaldo.

AS DENÚNCIAS

Quando surgiram as denúncias feitas Rodrigo e o seu advogado correram atrás dos documentos que justificassem a celebração do contrato e descobriram que, em fevereiro, um documento similar já havia sido utilizado na Prefeitura de São Lourenço da Serra, o que induz à uma irregularidade naquele pregão 02/2018, cabendo às autoridades competentes sua constatação e imposição de eventuais punições.

O advogado Luiz Fernando, junto à uma funcionária da própria secretaria de licitações, obteve por email a cópia do processo da licitação, mas quando foram à Prefeitura buscar uma via autenticada, descobriram que o processo, coincidentemente, havia sido extraviado. Seguindo a orientação da própria Prefeitura de São Lourenço da Serra, foi feito um Boletim de Ocorrência na delegacia local e, segundo informações, foi aberta uma sindicância interna para apurar o desaparecimento dos documentos.

O parecer confirmando a falsidade do documento apresentado na licitação, segundo o advogado Dr. Luis Fernando, permite que se avalie com ressalvas todas as acusações realizadas até aqui contra Rodrigo Butterby. – O prejuízo moral do Rodrigo é enorme e será apurado no momento oportuno e na esfera apropriada! Garante.

Para Rodrigo a confirmação da falsidade encerra esse debate que já foi longo demais. Com relação às demais acusações, como a do celular, das cervejas e do micro-ondas, garante que foram doações feitas pela empresa para a sua secretaria para serem sorteados na confraternização dos funcionários e, com relação às tintas, afirma que nunca chegaram à obra de sua propriedade e que desafia Reinaldo a provar que foram utilizadas por ele afinal registra, o ônus da prova cabe à acusação.

Você pode ver a gravação do depoimento de Rodrigo Butterby no Facebook do jornal OUVIDOR, bem como a reprodução do relatório do perito judicial, Orlando Garcia.

A direção do jornal OUVIDOR pede desculpas pelas intercorrencias técnicas ocorridas durante a gravação e transmissão realizada na tarde de quinta-feira (22/08/2019) passada.