BALAS PERDIDAS

por LUIS CARLOS CORRÊA LEITE

Crônicas Em 27/09/2019 20:45:29

Na última semana tivemos mais um triste caso de homicídio na cidade do Rio de Janeiro, que vitimou a menina Ághata Vitória. Ela voltava da escola e foi atingida dentro de uma Kombi por uma bala “perdida”, ao que tudo indica disparada por um policial militar da força carioca. 

Já se contam ali 30 casos iguais neste ano. O fato, como de costume, aconteceu numa favela, a do Alemão, e alegam os policiais envolvidos que revidaram quando foram atacados por bandidos que estavam numa moto. O governador Witzel, do estado do Rio de Janeiro, pôs a culpa naqueles que consomem drogas, e assim financiariam a violência. Melhor seria se tivesse ficado quieto. 

A situação não pode continuar. Nada justifica uma força policial entrar em conflito armado com quem que seja em locais que têm aglomeração de populares. Ao assim agir as autoridades policiais assumem o risco de matar pessoas inocentes, cidadãs e cidadãos que pagam impostos para ter segurança pública e não para serem assassinados por forças oficiais. E o interessante é que este tipo de ação não é visto nos bairros ricos da zona sul da cidade carioca.

É preciso lembrar que no último governo o estado do Rio de Janeiro sofreu uma intervenção militar federal, que, ao que parece, não ajudou muito. Nova intervenção não pode ser feita porque isso paralisaria as votações da reformas constitucionais em discussão no Congresso.

Parece que já é hora das autoridades buscarem métodos mais eficientes de combate ao crime organizado. A prisão e punição dos criminosos pode e deve ser feita mediante a utilização de meios científicos de investigação e utilização do elemento surpresa. E isso não poderá ser feito sem a participação efetiva da Polícia Federal, porque hoje em dia o crime se expande para todo o país e mesmo fora dele. 

Nos morros e nas favelas se encontra a mão visível e pobre da criminalidade. Ou se acredita que os milhões de dólares que financiam o tráfico de drogas e de armas é guardado em sacos dentro dos barracos?