Atenção Básica ainda é a maioria dos casos da UPA

Até 31/12, mais de 84 mil pessoas terão passado pela UPA de Santa Isabel neste ano

Saúde Em 14/12/2018 19:38:44

por Bruno Martins

Até a última segunda-feira, 10/12, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santa o Isabel realizou 79.759 atendimentos, a estimativa é que até as 23h59 do dia 31/12, sejam realizados mais 5 mil novos procedimentos médicos a mais do que todos os casos atendidos no ano passado, quando de fevereiro a dezembro de 2017, 80 mil pessoas passaram pela unidade. Assim como no ano passado os casos de Atenção Básica, continuam sendo a maioria.  

Na análise de classificação de risco, determinada pelo próprio Ministério de Saúde (MS), dos casos já atendidos pela UPA de Santa Isabel em 2018, 20.589 foram casos de urgência e emergência, o que é apenas 25,8% do total de atendimentos. A maioria esmagadora, 74,2%, soma 59.170 pessoas atendidas em casos de pouca urgência, que poderiam ter sido tratadas nas unidades de Atenção Básica do município. 

Para o administrador da UPA, Daniel Frugoli, a população ainda não entendeu o real foco da UPA: “Nosso papel é tratar o que é urgente e imediato, casos de atenção básica requerem cuidados mais especiais, necessitam de acompanhamento direto do médico, ou enfermeiro, o que não é possível ter no Pronto Socorro”, explica.

Os casos não urgentes, atendidos pela UPA, se dividem, na maioria das vezes, em trocas de receitas e curativos, aplicação de benzetacil, inalação, resfriado, dores de garganta, entre outros: “Em todos os casos a orientação é sempre a mesma, para que procurem os postos de saúde mais próximos de suas casas”, reforça. 

Comparando os procedimentos feitos na UPA neste ano, de janeiro a novembro foram realizadas 797 transferências da UPA a unidades de referência, 11.858 exames de Raio X, 261 foram casos de acidentes gerais, casos de agressão foram 294 e lesões causadas por arma branca (faca) e de fogo (revólver) foram de 19 e 9 respectivamente. Neste período, 2.132 pacientes ficaram em observação na UPA.

A reportagem entrou em contato com a Sociedade Beneficente Caminho de Damasco (SBCD), responsável pela administração dos postos de saúde da cidade. Até a publicação desta reportagem, A SBCD não divulgou as políticas que tem adotado para reforçar na população a importância de utilizarem os postos de saúde, mas se comprometeu de na próxima semana divulgar os atendimentos realizados nos Postos. 

Assim como os outros gestores que passaram pela Pasta, a secretária de Saúde de Santa Isabel, Estela Santana também acredita que a informatização é o meio mais eficaz para que a cidade consiga controlar o acesso da população e redirecioná-la para o atendimento no serviço correto: "Assim que possível traçaremos junto com a Santa Casa e Caminho de Damasco os meios corretos para implantarmos o prontuário eletrônico do paciente em todas as unidades de saúde", disse. 

Estela garante ainda que fará no próximo ano, encontros mensais entre o serviço de urgência emergência (UPA), SAMU e Atenção Básica, para que juntos possam discutir os casos encontrados e elaborar estratégias para melhorar o serviço prestado.