Ameaças e discussões - Crise no transporte em Santa Isabel

Vereadores já solicitaram redução imediata dos pagamentos feitos à PEM. Prefeitura multou a empresa em mais de R$100 mil

Cidades Em 31/08/2018 20:48:12

“Quem trabalha na PEM vive com medo, a gente vive abaixo de ameaças e sempre houve atrasos no pagamento de vale refeição, isso não é novidade”, diz um funcionário da empresa que tem medo de se identificar.

Segundo este funcionário da empresa, a Prefeitura esta semana intensificou a fiscalização e mandou suspender a circulação de oito veículos sucateados, por isso o transporte público de Santa Isabel está ainda mais deficitário, apresentando atraso em diversas linhas. “Eles até arrumaram a documentação dos carros, mas a manutenção ainda deixa a desejar. A parte mecânica dos ônibus está uma calamidade, mas a gente tem que trabalhar, mesmo que seja sob opressão”, diz o Denunciante.

Na quinta-feira, dia 30/08, uma comissão da Prefeitura de Santa Isabel com representantes das secretarias de Trânsito, Jurídico e Finanças esteve na garagem da PEM – Transporte Municipal Urbano para dar sequência as inspeções iniciadas na segunda-feira, 27/08. 

Em nota, a Prefeitura informa que emitiu mais de 70 notificações nos últimos seis meses, atendendo as 107 reclamações registradas na Ouvidoria contra o serviço prestado pela PEM. Devido ao não cumprimento dos requisitos básicos exigidos em contrato, a empresa foi multada esta semana em 200 UFM (Unidades Fiscais do Município), o equivalente a R$500,00. 

“Os responsáveis podem recorrer dentro de 10 dias. Caso comprovem que já conseguiram sanar todos os problemas, enumerados pela população por meio da Ouvidoria, pelos prestadores de serviço e pelos técnicos do trânsito, a multa poderá ser suspensa”, diz.

O contrato de concessão da PEM é de 15 anos podendo ser prorrogado por igual período e foi realizado na gestão do ex-Prefeito Pe. Gabriel Bina. “Mas este contrato pode ser rompido se a empresa não se adequar. A determinação da Prefeita Fábia Porto é tolerância zero e contratação de uma empresa eficiente, caso haja a necessidade”, diz o secretário Jairo Furini, acrescentando: “Se houver a rescisão, conversaremos com a nova empresa que assumir a concessão para que ela absorva os funcionários que desejam continuar no transporte, nós não aceitamos descaso com trabalhadores, nem empresas que os deixam sem salários e vale-transporte”.

Jairo informa que a Prefeita Fábia Porto já expediu uma portaria instaurando uma comissão de sindicância que avaliará o problema do transporte coletivo na cidade.

O Diretor da PEM, Jorge Ramalho se recusou falar com a imprensa. 

Legislativo cobra fiscalização

Na quinta-feira, 30/08, os vereadores Gabriel da Água, Reinaldo Nunes, Ti Nagate, Zé da Mula e o presidente Alencar Galbiatti estiveram na garagem da PEM, logo após uma visita na secretaria de Trânsito.

“O secretário de Trânsito Jairo Furini garantiu que fez diversas notificações à empresa, mas quando chegamos na garagem o diretor Jorge nos disse que a PEM nunca foi notificada ou multada pela Prefeitura”, diz Alencar. 

O Presidente da Câmara diz que o grupo também cobrou explicações da Secretaria de Educação, pois parte do recurso pago a PEM sai desta Pasta. “ Mas lá formos surpreendidos com a informação de que está tudo certo em relação a empresa de transporte, exceto por algumas irregularidades. A Secretária disse que a Prefeitura paga 100% do valor de contrato, mas como pode isso, se a empresa não cumpre com 70% e deixa a população na mão?”, questiona Alencar.

Para Alencar, ou a prefeitura exige o cumprimento do contrato, ou suspende e coloca outra empresa emergencialmente no lugar. “O que não dá é ficar como está”, afirma o Presidente, destacando que falará verdades na Tribuna durante a próxima sessão de câmara, 04/09, quando apresentará requerimentos com toda a documentação referente a PEM.