Advertência

por Roberto Drumond

Crônicas Em 13/09/2019 22:54:55

No dia 27 de janeiro de 2013, na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul uma soma de imprudência e fatalidades matou 242 pessoas e feriu outras 680. O incêndio chocou a opinião pública e repercutiu em todo o mundo provocando no Brasil uma avalanche de vistorias em todos os ambientes onde pessoas se reúnem pelos mais diversos motivos, de boates (principalmente) a igrejas. Até mesmo normas e portarias foram revistas buscando oferecer mais segurança aos usuários.

Na tarde da última quinta-feira um incêndio irrompeu no Hospital Badim, no Rio de Janeiro, deixando um saldo de onze mortos é a demonstração clara de que não se previne nenhum evento desses em hospitais, onde a dificuldade de evacuação dos prédios, em especial os instalados em edifícios, concorrem para aumentar o risco. Imagine o que é descer uma escadaria cheia de curvas transportando um paciente em uma maca, no escuro e respirando fumaça. Foi essa a experiência de dezenas de funcionários e voluntários do Badim no final da quinta-feira.

Na semana passada o deputado federal Márcio Alvino trouxe para a Santa Casa de Santa Isabel a notícia de uma emenda no valor de 1,5 milhão de reais. Além da notícia anunciou o seu compromisso de enviar, pelos próximos quatro anos, um milhão de reais a cada ano. São recursos suficientes para tirar do papel o projeto de reforma do prédio da Santa Casa construída nos anos 50/60 que atualmente segundo as anotações feitas nas assembléias da Irmandade mantenedora, é um risco manter-se em funcionamento.

O advogado Luis Carlos Correa Leite que desde 1993 quando foi designado administrador por determinação da Justiça, está envolvido na administração do hospital (exceto nos períodos de intervenção), é a voz que mais clama pelo cuidado e zelo que se deve ter com as instalações. Ele lembra, por exemplo, que quando foi construído, o prédio requeria instalações mais simples. Era o tempo apenas de materiais elétricos. Hoje, há muito mais necessidade de aparelhos elétricos e eletrônicos e nem todos os espaços passaram por adequações que ofereçam total segurança. E ele adverte o que todos concordam que em um prédio velho, o risco de fogo é maior. Protegidos pela certeza de que não é fácil substituir um hospital, a fiscalização é falha e deixa que a sorte e a Providência Divina cuidem das unidades de saúde, especialmente as filantrópicas, que dispõem de menos recursos.  

Que o incêndio do Badim seja uma advertência para todo o país. Em Santa Isabel, em que pese a falta de recursos, dispõe de meios para uma ação rápida, mas certamente necessita de treinamento de pessoal e mais medidas de prevenção que certamente podem aliviar o risco.