A VERDADEIRA INDEPENDÊNCIA

por LUIS CARLOS CORRÊA LEITE

Crônicas Em 02/04/2021 15:37:03

Tomara que a crise trazida pela pandemia do Covid - além de conscientizar as elites sobre a importância da assistência médica e social às classes menos favorecidas, pois viu-se que sem os braços dos pobres a economia não se movimenta -, traga também o debate sobre a verdadeira independência do Brasil, que, apesar do famoso grito do Ipiranga, está longe de acontecer. 

Como se pode ver com a situação das vacinas, dos respiradores, e até das simples máscaras, o parque industrial nacional foi desmontado de forma irresponsável em favor de uma dependência perigosa – senão criminosa – da economia chinesa. Fundada na ambição de empresários gananciosos, os empregos nos setores secundários da economia foram transferidos para a China, sob a falácia do baixo custo de produção. 

Fábricas inteiras foram desmontadas, ou simplesmente desativadas, para que as empresas nacionais passassem a produzir no território chinês. Para o Brasil, sem se perceber, sobrou o setor primário da economia, especial as culturas da soja, do milho, café e outras, além da produção da chamada proteína animal, especialmente a carne bovina, que é certamente uma das maiores causas do desastre ambiental que assola a nação. Isso sem falar na exportação dos minérios, que são extraídos das montanhas de Minas Gerais e do Pará, na Serra de Carajás, e enviados sem qualquer beneficiamento para países desenvolvidos, em especial – e como sempre – para a China. Chegou-se ao cúmulo de trocar minério in natura por trilhos fabricados na China, estes produzidos com o mesmo minério brasileiro. 

E além dos efeitos danosos, essa dependência está, aos poucos, destruindo o parque tecnológico do país, cujo desenvolvimento foi amplamente incentivado na década de 70. O país não tem conseguido desenvolver uma simples vacina contra o Covid, mostrando a falência da indústria farmacêutica nacional, há muito dominada pelas empresas multinacionais, que cobram preços extorsivos, pela simples falta de opções no mercado. Ou por procedimentos poucos éticos na área da saúde.

 Já passou da hora da nação acordar, e entender que a verdadeira independência política não é uma falácia, ou uma situação de falsa soberania, mas sim o resultado de políticas públicas que realmente protejam os interesses nacionais.